Concertos de Aurea, Marco Rodrigues e projeto Paião em Aljustrel

Concertos da cantora Aurea, do fadista Marco Rodrigues e do projeto Paião e espetáculos de teatro marcam a programação dos primeiros cinco meses deste ano do Cine Oriental, na vila de Aljustrel, no Alentejo, foi hoje anunciado.

Segundo a Câmara de Aljustrel, no distrito de Beja, Aurea vai atuar na sexta-feira, a partir das 21:30, para apresentar o mais recente álbum "Confessions", que foi lançado em 2018.

Marco Rodrigues vai atuar no dia 23 de fevereiro, também a partir das 21:30, com um espetáculo em que terá como convidado o Grupo de Cantares Feminino de Aljustrel.

Já o projeto Paião, composto pelos músicos Jorge Benvinda (Virgem Suta), Marlon (Os Azeitonas) e VIA, que interpretam canções do músico e compositor português Carlos Paião, que morreu em 1988, vai atuar no dia 11 de maio, a partir das 21:30.

No dia 21 de fevereiro, às 14:30 e às 15:30, o Agrupamento de Música de Câmara da Orquestra Clássica do Sul vai dar um concerto pedagógico destinado ao público escolar.

Em março, o Cine Oriental vai ser palco de quatro espetáculos de teatro, sendo três integrados na programação do FITA - Festival Internacional de Teatro do Alentejo deste ano.

"Pareja Abierta", pela Companhia Teatro Memórias, das Honduras, no dia 19, a partir das 21:30, "A Ilha do Desamanhã", pela Companhia Varazim Teatro, de Portugal, no dia 21, às 11:00 e às 14:30, e "Hominus Brasilis", pela Companhia Teatro Manual, do Brasil, no dia 23, também a partir das 21:30, são as peças que vão ser apresentados no âmbito do FITA.

No dia 30 de março, o ator Fernando Mendes vai apresentar, a partir das 21:30, a peça "Insónias", na qual interpreta a personagem de Custódio Reis, "um comum português de classe média, que vive afogado em dívidas e à beira do divórcio" e, durante "uma terrível noite de insónia, vai questionar a sua vida", numa "hilariante crise interior".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.