Comercialização de carne de bovino nos Açores cresce desde 2017

A comercialização de carne de bovino nos Açores registou um crescimento de 11% nos primeiros oito meses de 2018, em relação ao período homólogo, na sequência do abate de 48 mil animais, informou hoje o Governo Regional.

Dos abates resultaram, no total, 11 mil toneladas de carne, absorvidas em 55% pela exportação, enquanto o restante foi canalizado para o mercado interno.

Segundo a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, entre janeiro e agosto registou-se um crescimento de 3,2% no consumo local e de 18% na exportação de carne de bovino.

Também nos abates de bovinos com Identificação Geográfica Protegida (IGP), cuja carne é mais valorizada no mercado, assistiu-se a um crescimento, neste caso de cerca de 30%.

De acordo com a nota de imprensa, estes indicadores "traduzem a dinâmica de crescimento e de afirmação sustentável da fileira da carne no contexto do setor agrícola dos Açores".

Para a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas a "situação favorável que se verifica no mercado da carne de bovino é resultado da aposta estratégica do Governo dos Açores nesta fileira", que passou por investimentos realizados na rede regional de abate e pelo "grande trabalho que os agricultores têm feito ao nível da melhoria constante das suas produções".

A carne dos Açores provém das carcaças de bovinos nascidos, criados e abatidos na região, segundo os moldes tradicionais, estando as suas caraterísticas "intimamente ligadas, por um lado, às condições edafoclimáticas (solo e clima) dos Açores, propícias à criação de gado em pastagens naturais" e, por outro, aos "métodos ancestrais de alimentação e condução do gado seguido pelas populações da região".

A alimentação das crias é efetuada de modo tradicional, com leite materno, pelo menos até cerca dos três meses, e a partir desta idade é fornecida uma alimentação tradicional, constituída por erva das pastagens naturais ou melhoradas.

Até serem abatidos, os animais são alimentados com pastagens, sendo muitas vezes complementada a sua alimentação com silagens e fenos obtidos nas próprias pastagens e com concentrados energéticos e proteicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.