COMENTÁRIO: Rio Ave e Feirense sem arte para desfazer nulo que agudiza ciclo negativo

Rio Ave e Feirense empataram hoje 0-0, em partida da 18.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, em que os dois conjuntos não conseguiram quebrar a longa série sem vitórias no campeonato.

Com esta igualdade, os vila-condense chegaram à marca de 10 jornadas sem triunfar, enquanto no Feirense a situação é mais grave, porque, apesar de hoje terem somando o quarto empate consecutivo, já não saboreiam um triunfo na I Liga há 16 jogos.

Os 'fogaceiros' continuam, assim, na zona de despromoção, ocupando o 17.º e penúltimo lugar, com 14 pontos, enquanto que a formação da foz do Aves segue no décimo lugar, com 21.

O arranque da partida até pareceu prometedor para quebrar essa toada, com os vila-condenses, logo aos dois minutos, a criarem a primeira oportunidade de perigo, quando Vinicius recuperou uma bola perdida por Aly Ghazal, irrompeu pela área, mas rematou ao lado.

O Feirense ainda respondeu, aos 13, num cabeceamento de Vítor Bruno, após jogada de Valência, mas que Stivan desviou com a mão, invalidando o lance.

Esta entrada ritmada das duas equipas viria, no entanto, a não ter sequência, com o jogo a cair numa toada desinteressante, com muitas faltas e sem rasgo ofensivo, que foi afastando bola das duas balizas, num espelho do período de menor confiança que os conjuntos atravessavam.

Os bocejos nas bancadas prolongaram-se pelos minutos seguintes, e só viriam a ser interrompidos já perto do intervalo, numa rara iniciativa, em que o avançado do Feirense Valência ganhou espaço e rematou para uma das defesas da noite de Leo Jardim, que manteve um nulo castigador para ambos ao intervalo.

Depois do primeiro tempo confrangedor, o Rio Ave foi quem 'arregaçou as mangas' para a segunda metade, assumindo a iniciativa do jogo e empurrando, paulatinamente, o Feirense para a sua área.

Mas apesar de mais pressionantes, os vila-condenses continuavam sem disfarçar as dificuldades no último passe, acabando por criar as situações de maior perigo em bolas paradas.

Num par de cantos, Vinicius, aos 55, e Buatu, aos 69, ambos de cabeça, chegaram criar calafrios à defesa dos 'fogaceiros', mas sem a melhor pontaria, tal como num remate de Bruno Moreira, já aos 80.

O Feirense, que até então praticamente não tinha tido mostrado iniciativa, acabou por despertar nos derradeiros minutos, com Valência, em dois lances, a testar os reflexos de o guardião local Leo Jardim, em intervenções providenciais.

Na outra baliza, Alampasu também esteve em destaque já nos descontos, desviando um remate de Fábio Coentrão, e fazendo prevalecer o 0-0 até ao final.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.