COMENTÁRIO: Rio Ave e Feirense sem arte para desfazer nulo que agudiza ciclo negativo

Rio Ave e Feirense empataram hoje 0-0, em partida da 18.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, em que os dois conjuntos não conseguiram quebrar a longa série sem vitórias no campeonato.

Com esta igualdade, os vila-condense chegaram à marca de 10 jornadas sem triunfar, enquanto no Feirense a situação é mais grave, porque, apesar de hoje terem somando o quarto empate consecutivo, já não saboreiam um triunfo na I Liga há 16 jogos.

Os 'fogaceiros' continuam, assim, na zona de despromoção, ocupando o 17.º e penúltimo lugar, com 14 pontos, enquanto que a formação da foz do Aves segue no décimo lugar, com 21.

O arranque da partida até pareceu prometedor para quebrar essa toada, com os vila-condenses, logo aos dois minutos, a criarem a primeira oportunidade de perigo, quando Vinicius recuperou uma bola perdida por Aly Ghazal, irrompeu pela área, mas rematou ao lado.

O Feirense ainda respondeu, aos 13, num cabeceamento de Vítor Bruno, após jogada de Valência, mas que Stivan desviou com a mão, invalidando o lance.

Esta entrada ritmada das duas equipas viria, no entanto, a não ter sequência, com o jogo a cair numa toada desinteressante, com muitas faltas e sem rasgo ofensivo, que foi afastando bola das duas balizas, num espelho do período de menor confiança que os conjuntos atravessavam.

Os bocejos nas bancadas prolongaram-se pelos minutos seguintes, e só viriam a ser interrompidos já perto do intervalo, numa rara iniciativa, em que o avançado do Feirense Valência ganhou espaço e rematou para uma das defesas da noite de Leo Jardim, que manteve um nulo castigador para ambos ao intervalo.

Depois do primeiro tempo confrangedor, o Rio Ave foi quem 'arregaçou as mangas' para a segunda metade, assumindo a iniciativa do jogo e empurrando, paulatinamente, o Feirense para a sua área.

Mas apesar de mais pressionantes, os vila-condenses continuavam sem disfarçar as dificuldades no último passe, acabando por criar as situações de maior perigo em bolas paradas.

Num par de cantos, Vinicius, aos 55, e Buatu, aos 69, ambos de cabeça, chegaram criar calafrios à defesa dos 'fogaceiros', mas sem a melhor pontaria, tal como num remate de Bruno Moreira, já aos 80.

O Feirense, que até então praticamente não tinha tido mostrado iniciativa, acabou por despertar nos derradeiros minutos, com Valência, em dois lances, a testar os reflexos de o guardião local Leo Jardim, em intervenções providenciais.

Na outra baliza, Alampasu também esteve em destaque já nos descontos, desviando um remate de Fábio Coentrão, e fazendo prevalecer o 0-0 até ao final.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.