Começam na Gâmbia audiências sobre os abusos cometidos durante regime de Jammeh

A Comissão de Verdade, Reconciliação e Reparação da Gâmbia (TRRC) começou hoje a ouvir os primeiros testemunhos das vítimas e presumíveis autores das violações de direitos humanos cometidos durante o Governo do antigo Presidente Yahya Jammeh.

O Presidente gambiano, Adama Barrow, sublinhou hoje que "os gambianos sofreram demasiado tempo sob um regime repressivo, um regime que desrespeitou o seu contrato social com os cidadãos, e que, ao fazê-lo, oprimiu as mesmas pessoas que jurou servir e proteger", avançou a agência Efe.

Jammeh, que governou a pequena nação da África Ocidental entre 1994 e janeiro de 2017, é acusado de matar jornalistas, torturar e matar opositores políticos e promover a generalização dos abusos de direitos humanos no país durante mais de duas décadas.

"A TRRC nasceu das aspirações de um povo que decidiu que queria uma sociedade onde prevaleça a verdade e a justiça. Esta comissão é o resultado dos sonhos de um povo unido no seu desejo de um futuro melhor, um futuro livre de opressão, perseguição e tirania", continuou o chefe de Estado.

A comissão foi criada em outubro último com o objetivo de documentar a natureza, as causas e o alcance dos crimes e abusos, assim como de facilitar a concessão de reparações a um número elevado de vítimas do anterior regime gambiano.

A assessora principal da TRRC, Essa Faal, indicou que as audiências terão lugar por ordem cronológica e que há já testemunhas dispostas a falar das violações de direitos humanos cometidas em julho de 1994.

Jammeh, derrotado em eleições realizadas em dezembro de 2016, encontra-se exilado na Guiné Equatorial desde janeiro de 2017, depois de ceder às pressões diplomáticas internacionais para ceder o poder ao vencedor desse escrutínio e atual Presidente, Adama Barrow.

Em declarações à "Voice of Africa", a diretora da Amnistia Internacional (AI) para a África Ocidental, Marta Colomer, afirmou que estas audiências constituem passos importantes para a obtenção da justiça no país.

"Este é um sinal do forte empenho do atual Governo de cortar com a sistematização das violações dos direitos humanos que os gambianos sofreram durante 22 anos", afirmou a ativista.

Adama Barrow comprometeu-se a bater-se pela extradição de Yahya Jammeh para enfrentar a justiça do seu país, caso venha a ser esta a recomendação da TRRC.

Foi divulgado na semana passada um vídeo de Yahya Jammeh e do Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, a dançarem juntos na noite de fim de ano, que deixa dúvidas sobre se Obiang virá algum dia vir a acordar a extradição de Jammeh, caso venha a ser esta a recomendação da TRRC.

Não obstante o vídeo, sublinhou hoje Marta Colomer, estas audiências assinalam os esforços de responsabilização judicial de Jammeh, seja na Gâmbia, na Guiné Equatorial ou em qualquer outro país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.