Coletes Amarelos: PR francês anuncia na quinta-feira a sua resposta ao grupo de protesto

Paris, 23 abr 2019 (Lusa) - Após a trégua política imposta pelo incêndio na catedral de Notre-Dame, o Presidente francês, Emmanuel Macron, anuncia na quinta-feira aos franceses a sua resposta à crise dos "coletes amarelos", que exigem há cinco meses mais justiça fiscal e social.

O chefe de Estado francês realizará uma conferência de imprensa às 18:00 (17:00 em Lisboa) no palácio presidencial do Eliseu, em Paris.

O anúncio de medidas, que se segue ao "grande debate nacional" de dois meses que pretendeu ouvir as reivindicações de "coletes amarelos", é percebido como um "II ato" do seu mandato de cinco anos.

O objetivo é reviver o movimento de esperança em 2017 que levou Macron ao poder, um jovem Presidente que prometeu mudança e que se encontra hoje preso na pior crise social de seu mandato.

Dezenas de milhares de "coletes amarelos" manifestam-se todos os sábados em toda a França, em protestos muitas vezes manchados pela violência.

A popularidade do Presidente nunca foi tão baixa, com apenas 27% dos franceses satisfeitos com o seu governo, de acordo com uma pesquisa de opinião Opinionway divulgada no sábado.

As percentagens são um mau augúrio a menos de um mês das eleições europeias, em que o partido presidencial, de acordo com as pesquisas, é acompanhado de perto da extrema-direita.

Emmanuel Macron tinha planeado anunciar essas medidas no dia 15 de abril, mas quando o discurso já estava pronto para ser transmitido, o incêndio tomou conta da catedral de Notre-Dame, forçando o Presidente a cancelar tudo.

O anúncio que Macron deveria fazer, no entanto, vazou no dia seguinte nos media, aniquilando o efeito surpresa esperado.

Emmanuel Macron prevê uma queda nos impostos, especialmente nas classes médias, importante para os "coletes amarelos", a reindexação das pequenas reformas ou na abolição da Escola Nacional de Administração (ENA), acusada de formar elites desconectadas do "mundo real".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".