Coletes Amarelos: PR francês anuncia hoje a sua resposta aos protestos

Paris, 25 abr 2019 (Lusa) - Após a trégua política imposta pelo incêndio na catedral de Notre-Dame, o Presidente francês, Emmanuel Macron, anuncia hoje aos franceses a sua resposta à crise dos "coletes amarelos", que exigem há cinco meses mais justiça fiscal e social.

O chefe de Estado francês realizará uma conferência de imprensa às 18:00 (17:00 em Lisboa) no palácio presidencial do Eliseu, em Paris.

O anúncio das medidas, que se segue ao "grande debate nacional" de dois meses que visou ouvir as reivindicações dos "coletes amarelos", é percebido como um "II ato" do seu mandato de cinco anos.

O objetivo é reviver o movimento de esperança em 2017 que levou Macron ao poder, um jovem Presidente que prometeu mudança e que se encontra hoje preso na pior crise social de seu mandato.

Desde 17 de novembro de 2018 que dezenas de milhares de "coletes amarelos" se manifestam aos sábados em toda a França, em protestos muitas vezes manchados pela violência.

A popularidade do Presidente nunca foi tão baixa, com apenas 27% dos franceses satisfeitos com o seu governo, de acordo com uma pesquisa de opinião Opinionway divulgada no passado dia 20.

As percentagens são um mau augúrio a menos de um mês das eleições europeias, em que o partido presidencial, de acordo com as pesquisas, é acompanhado de perto da extrema-direita.

Emmanuel Macron tinha planeado anunciar essas medidas no dia 15 de abril, mas quando o discurso já estava pronto para ser transmitido, o incêndio tomou conta da catedral de Notre-Dame, forçando o Presidente a cancelar tudo.

O anúncio que Macron deveria fazer, no entanto, vazou no dia seguinte na imprensa, aniquilando o efeito surpresa esperado.

Emmanuel Macron prevê uma queda nos impostos, especialmente nas classes médias, importante para os "coletes amarelos", a reindexação das pequenas reformas ou na abolição da Escola Nacional de Administração (ENA), acusada de formar elites desconectadas do "mundo real".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.