Coletes amarelos: Macron prossegue "grande debate" sem evitar nova manifestação

O Presidente francês, Emmanuel Macron, prossegue hoje o "grande debate" nacional, em Souillac, localidade no sudoeste, destinado a apaziguar a indignação dos "coletes amarelos", que já anunciaram mais protestos para sábado.

Segundo a agência de notícias France-Presse (AFP), Emmanuel Macron vai reunir-se a partir das 15:00 (14:00, em Lisboa) com 600 autarcas, em Souillac, localidade francesa com 3.750 habitantes.

"Enquanto houver perguntas, ele [Macron] responderá", indicou a comitiva do Presidente francês, sem avançar a duração do debate.

Para receber Emmanuel Macron, a localidade de Souillac encontra-se sob vigilância e "qualquer manifestação é proibida, nomeadamente no contexto do movimento 'coletes amarelos'".

De acordo com a AFP, foi anunciada para sábado uma nova manifestação do movimento "coletes amarelos".

No último domingo, Macron propôs focar um grande debate nacional em França em torno de 35 questões sobre quatro grandes temas: democracia, transição ecológica, fiscalidade ou imigração.

"Quero transformar convosco a cólera em soluções", afirmou então Macron, numa carta dirigida aos franceses.

Na terça-feira, Emmanuel Macron apresentou oficialmente o grande debate nacional em França para responder à crise desencadeada pela contestação do movimento 'coletes amarelos', apelando a uma discussão "sem tabus".

"Existem 35 questões" na carta dirigida aos franceses, mas "a par daquelas que estão escritas, todas as questões são abertas", declarou o chefe de Estado francês, num encontro realizado em Grand Bourgtheroulde (Normandia, noroeste de França) que contou com a presença dos autarcas daquela região.

"Se existirem questões pertinentes, assuntos que não vi e que podem emergir, também serão consideradas. Não devem existir tabus enquanto falamos", reforçou.

O encontro realizado em Grand Bourgtheroulde foi o primeiro de um conjunto de encontros que Macron pretende realizar nas várias regiões francesas durante o período do grande debate nacional.

Esta iniciativa do chefe de Estado francês surge numa altura em que o país vive há dois meses uma crise desencadeada pelas manifestações dos 'coletes amarelos', que contestam a política social e fiscal do Governo.

Milhares de pessoas envergando 'coletes amarelos' têm-se manifestado em França desde 17 de novembro, um protesto que inicialmente exigia a suspensão de um novo imposto sobre os combustíveis e acabou por se ampliar a uma série de outras reivindicações.

Em várias ocasiões, os protestos, que têm sido realizados em várias cidades e regiões francesas, degeneraram em confrontos entre manifestantes e forças da ordem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.