Clima: Maioria das instalações militares dos EUA estão ameaçadas - Pentágono

A maioria das bases militares dos Estados Unidos da América estão ameaçadas pelos efeitos das alterações climáticas, segundo um relatório do Departamento da Defesa divulgado na sexta-feira.

"Dois terços das 79 infraestruturas examinadas no relatório estão vulneráveis a inundações recorrentes, hoje e no futuro, e mais de metade estão vulneráveis a períodos de seca, hoje e no futuro", detalhou-se no documento encomendado pelo Congresso para melhorar o grau de preparação das Forças Armadas face às alterações climáticas.

Outras instalações militares enfrentam riscos de incêndio florestal ou de fusão do 'permafrost' (termo que designa terra permanentemente gelada), acrescentou-se no documento, de 22 páginas, que estima a concretização das ameaças num período de 20 anos.

O Pentágono não prevê nenhum financiamento particular para responder a estas ameaças que já estão, segundo o documento, consideradas no atual orçamento do Pentágono.

Mas as críticas não se fizeram esperar, designadamente por o relatório não refletir o que se pediu e a dimensão da ameaça.

"Há muitas coisas que faltam" no documento, sublinhou John Conger, diretor do Centro para o Clima e a Segurança, que junta peritos ambientais e antigos responsáveis militares.

O Congresso tinha incumbido o Pentágono de designar as dez infraestruturas militares mais ameaçadas pelas alterações climáticas.

Ora, o documento fornece uma lista de 79 bases e instalações por ordem alfabética e, "não se sabe como, ignora o corpo de 'marines'", acrescentou Conger, no comunicado daquela organização.

"Por outro lado, omite sem explicar a base aérea de Tyndall e a de Camp Lejeune, apesar de estarem confrontadas com trabalhos de recuperação, no valor de milhares de milhões de dólares, depois dos recentes eventos meteorológicos extremos ligados às alterações climáticas", concluiu.

A base dos 'marines' em Camp Lejeune, no Estado da Carolina do Norte, foi devastada pelo furacão Florence, em setembro de 2018, e o custo das reparações está avaliado em 3,6 mil milhões de dólares.

No Estado da Florida, a base aérea Tyndall, que alberga os aviões de 'caça' furtivos F-22 Raptors, famosos pelo seu elevado custo, foi devastada pelo furacão Michael, em outubro do mesmo ano, e tem reparações estimadas em cinco mil milhões de dólares.

Negacionista das alterações climáticas, o Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, retirou os EUA do Acordo de Paris sobre o clima e aliviou ou anulou várias regulamentações ambientais.

"Sob a direção atual, o Departamento da Defesa considera as alterações climáticas como uma questão secundária", comentou o congressista democrata Jack Reed, membro da comissão das Forças Armadas do Senado.

Ao não identificar as infraestruturas militares que devem ter prioridade na proteção, este relatório "tem tanto valor quanto uma lista telefónica", acrescentou Reed.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.