Clima: Estudantes de Évora percorrem centro histórico em defesa do planeta

Cerca de 600 estudantes percorreram hoje as principais ruas do centro histórico de Évora, empunhando cartazes e gritando palavras de ordem em defesa do planeta e a exigir medidas governamentais para combater as alterações climáticas.

Os participantes concentraram-se, inicialmente, na Praça do Giraldo, considerada a sala de visita da cidade, onde alguns discursaram, através de um megafone, e todos, em conjunto, entoaram palavras de ordem.

"Ó senhor ministro explique por favor porque é que no inverno faz calor", foi uma das frase mais vezes entoadas pelos estudantes, ao mesmo tempo que seguravam cartazes com frases como "não há planeta B" e "- CO2 + futuro".

Numa grande faixa de pano preto com letras a branco e amarelo, transportada por dois jovens, alertavam: "Se o planeta morrer não temos outro para viver, exigimos medidas governamentais já".

Os estudantes, onde se que incluía um pequeno grupo de crianças do pré-escolar de uma escola das cidade, desfilaram, depois, em marcha lenta, pelas principais ruas do centro histórico de Évora, culminando o protesto junto ao edifício da câmara municipal.

Linda Assunção, de 16 anos, que tinha um cartaz no qual se podia ler "se o planeta fosse um banco, já estaria salvo", afirmou estar a participar na iniciativa por estar "muito preocupada com as alterações climáticas".

"O Governo já devia ter feito alguma coisa e não fez", considerou, exigindo também medidas a favor do planeta "não só cá, mas também no mundo inteiro".

A jovem estudante referiu que "os adultos, principalmente, não fazem anda" pelo ambiente e têm de ser os mais novos a fazer, porque são os que "daqui a 30 anos" estão a viver no planeta.

Também Ricardo Caia, de 21 anos, aluno da Universidade de Évora, se juntou ao protesto, por entender que "mais do nunca é preciso haver uma grande adesão pela causa ambientalista", num momento em que "o aquecimento global se tem intensificado cada vez mais".

"É bastante importante haver uma maior consciencialização dos mais jovens sobre esta causa e acredito que a mensagem vai passar, tanto para as elites governamentais, como para as pessoas com mais idade", acrescentou.

Centenas de milhares de jovens estão hoje em protestos em mais de 100 países, incluindo Portugal, numa greve mundial de alunos para exigir dos políticos ações concretas contra as alterações climáticas.

Esta ação estudantil mundial tem como lema "fazer greve por um clima seguro" e culmina uma série de manifestações semanais iniciadas no ano passado pela sueca Greta Thunberg, 16 anos, nomeada para o prémio Nobel da paz.

Em Portugal, durante toda a manhã realizaram-se protestos em várias cidades de todo o país.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?