CIM transmontana reclama redução dos passes sociais e transportes públicos

A Comunidade Intermunicipal (CIM) Terras de Trás-os-Montes reclamou hoje a redução dos passes socais e dos transportes públicos, na sua área de abrangência, por se tratar de um território de baixa densidade populacional afastado dos grandes centros urbanos.

"Sendo as autarquias quem subsidia os passes sociais e os transportes públicos entre as freguesias ou com os concelhos vizinhos, achamos que deveríamos ter um financiamento específico para estes territórios do interior", disse à Lusa o presidente da CIM transmontana, Artur Nunes.

Na opinião do autarca socialista, esta seria uma forma de dar "uma vantagem competitiva" que ajudaria a "fixar pessoas no território" e de fazer circular as pessoas entre os concelhos que integram a CIM.

"Já que esta estratégia vai aplicar-se nas áreas metropolitanas, acho que todos deveremos reclamar uma política idêntica para o interior, que se resume no financiamento dos transportes públicos para as regiões de baixa densidade populacional", vincou.

Os representantes da CIM Terras de Trás-os-Montes mostram-se disponíveis para "dialogar" com o Governo para se encontrar "a melhor solução" para colmatar esta necessidade.

O ministro do Ambiente, que tem a tutela dos transportes públicos, já havia afirmado que o Governo está a estudar o alargamento da redução dos custos dos passes sociais a todo o país, sublinhando que os municípios terão de "participar na despesa extra" e devem criar redes intermunicipais.

"Esta é uma proposta que vai no sentido certo, no sentido de uma maior utilização de transporte coletivo, no sentido de descarbonizar de facto a sociedade e por isso estamos a apreciá-la, a avaliá-la e a perceber com detalhe também como é que ela pode ser estendida ao país todo", assumiu João Matos Fernandes.

Porém, e apesar de este ser "um modelo de transporte bem adaptado aos territórios de baixa densidade", no entender do governante "ainda não tem o grau de desenvolvimento" desejado.

Por seu lado, o presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) já havia encarado como positiva a possibilidade de um possível desconto nos passes sociais dos transportes urbanos ser aplicado em todo o país.

"Encaro como positivo. É uma leitura correta, dado que o Orçamento do Estado é fruto da coleta dos impostos de todos os cidadãos portugueses", afirmou o presidente da ANMP, Manuel Machado.

Manuel Machado reafirmou a posição da ANMP, que defende "que haja equidade territorial no tratamento destas componentes tão essenciais à vida", como é o caso do transporte.

A ideia de transportes públicos mais baratos, nomeadamente na capital do país e no Porto, foi posta na ordem do dia pelo presidente da Câmara de Lisboa e presidente da Área Metropolitana de Lisboa, Fernando Medina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.