China revê em baixa crescimento da economia em 2017 para 6,8%

A China reviu em baixa o ritmo de crescimento do produto interno bruto (PIB), em 2017, para 6,9%, em vez dos cálculos iniciais de 6,8%, anunciou hoje o Gabinete Nacional de Estatísticas (ONE) chinês.

Em comunicado, o GNE informou que a economia cresceu 6,8%, em termos homólogos, fixando o valor do PIB em 82,27 biliões de yuans (10,63 biliões de euros), menos 636.700 milhões de yuan (quase 81.000 milhões de euros) do que no cálculo anterior.

O cálculo do PIB utilizado pela China divide-se em duas fases: uma preliminar, divulgada em janeiro de 2018, e que fixou o crescimento em 6,9%; e outra no final do ano - cujos resultados foram publicados hoje, explicou o GNE em comunicado.

Os setores que registaram maior redução são os serviços de transmissão e tecnologia da informação e 'software' (menos 4,2 pontos percentuais), aluguer e serviços para empresas (menos 1,1%) e construção (menos 0,8%).

Outros foram revistos em alta, incluindo o setor imobiliário (1%), alojamento e restauração (0,7%) ou transporte, armazenamento e serviços postais (0,4%).

Esta revisão foi divulgada a apenas três dias de a China divulgar o ritmo de crescimento económico no último trimestre de 2018 e o valor total acumulado do ano passado.

A desaceleração económica global e a guerra comercial com os Estados Unidos são dois fatores que podem levar a um abrandamento no ritmo de crescimento do PIB para um valor aquém da meta definida por Pequim, de 6,5%.

Outros dados refletiram já tendências negativas na economia do país.

As vendas de automóveis na China caíram 5,8%, em 2018, para 22,35 milhões de veículos, no primeiro declínio anual desde 1990.

E, no mês passado, a atividade da indústria manufatureira da China contraiu-se pela primeira vez em 19 meses, enquanto em novembro, os lucros da indústria na China registaram a primeira queda homóloga, de 1,8%, desde dezembro de 2015, e as vendas a retalho, o principal indicador do consumo privado, recuaram para 8,1%, o ritmo mais lento desde maio de 2003.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.