'Chef' com estrela Michelin mostra em Viseu cozinha basca com visão criativa

Bacalhau e pescada fazem parte da ementa que o 'chef' basco Josean Alija, do Nerua (uma estrela Michelin), idealizou para a terceira sessão do ciclo "Chefs a Lemos", que se realiza sábado no restaurante Mesa de Lemos, em Viseu.

Considerado um dos grandes talentos da atual gastronomia espanhola, Alija explicou à Lusa que pretende "mostrar o que é a cozinha basca através de uma visão criativa" e dos produtos locais, que utiliza no seu restaurante, o Nerua, inserido no Museu Guggenheim, em Bilbau.

"Chefs a Lemos" é uma iniciativa do 'chef' Diogo Rocha, do restaurante Mesa de Lemos, que começou em março de 2018 e teve como primeiro convidado o 'chef' Ricardo Costa, do The Yeatman Hotel, em Vila Nova de Gaia, distinguido com duas estelas Michelin, tendo-se seguido João Rodrigues, do restaurante Feitoria, em Lisboa, com uma estrela Michelin.

A iniciativa sai pela primeira vez do âmbito nacional com Alija, que no sábado preparará quatro pratos para o referido jantar no restaurante onde Diogo Rocha acolhe os chefes convidados, a um ritmo variável e sem datas pré-determinadas.

Diogo Rocha diz que "foi fácil" persuadir Josean Alija a deslocar-se a Viseu para mostrar a sua mestria gastronómica, sendo que cada um confecionará quatro pratos para os 32 comensais que conseguiram arranjar mesa pagando 100 euros por pessoa.

O 'chef' português explica que, com a sua iniciativa, pretende "mostrar outras cozinhas, maneiras de ver e trocar experiências para lá e para cá, para mostrar o que Viseu tem e despertar a região para a alta gastronomia".

Míscaros, robalo, porco bísaro e "uma sobremesa baseada no sal" serão as propostas de Diogo Rocha para o terceiro jantar deste ciclo, ao passo que Josean Alija promete "uma sopa para comer com garfo", línguas de bacalhau - porque "era obrigatório" - pescada e "foie gras".

O 'chef' basco acredita que "o divertido" é que sábado tanto ele como o seu anfitrião irão "aprender e absorver a energia" presente no Mesa de Lemos e no meio envolvente.

Josean Alija afirma que cozinha para dar felicidade e que percebeu isso aos 14 anos no convívio com a sua avó, que era quem cozinhava em casa e dava tudo para que quando a restante família chegasse pudesse desfrutar de uma boa refeição.

A avó dizia-lhe que esse era o seu "compromisso", porque os outros tinham "trabalhos duros e a comida era o que os fazia felizes". Alija herdou esse princípio familiar e fez dele o mote da sua carreira, procurando também dar "felicidade" às pessoas que se dirigem ao seu restaurante.

"Muina" é um termo basco que resume a sua cozinha e "significa núcleo e essência", afirma, acrescentando que tudo parte do "território, dos produtos locais e da sazonalidade".

Alija teve a sua carreira ameaçada quando sofreu um acidente de moto em 2000, tinha então 20 anos, que o deixou em coma durante 21 dias e praticamente sem olfato e sem paladar.

O choque foi muito grande e o chefe recorda que depois viveu "os dois anos mais dolorosos" da sua vida, desde logo porque os médicos lhe tinham dito que tinha duas opções para recuperar tanto o cheiro como o gosto, "ambas com garantia zero".

A primeira opção era usar "pastilhas", o que foi descartado pelos próprios médicos, que o aconselharam a tentar "aprender novamente tudo o que tinha aprendido, como uma criança, e a memorizar tudo" - e foi deste modo que Josean Alija voltou ao normal e retomou em pleno a sua carreira.

Em 2011, foi distinguido com a primeira estrela Michelin.

Ler mais

Exclusivos