CGD, Santander Totta, BPI e BCP fecham 2018 com menos 1.071 trabalhadores e 254 balcões

A Caixa Geral de Depósitos (CGD), o Santander Totta, o BPI e o BCP reduziram em 2018 o número de trabalhadores em 1.071 e o de agências em 254, de acordo com contas feitas pela agência Lusa.

Os quatro bancos que já apresentaram contas e dados relativos a 2018 passaram de 27.221 trabalhadores em 2017 para 26.150 em 2018.

A maior descida registou-se na CGD, que contava em dezembro de 2018 com menos 646 pessoas na sua folha de pessoal, fruto da passagem de 8.321 trabalhadores em 2017 para 7.675 em 2018.

Ao banco público seguiu-se o Santander Totta, registando menos 289 trabalhadores em 2018, uma redução de 6.781 pessoas para 6.492, e depois o BCP, que na sua atividade em Portugal contou com 94 funcionários a menos, tendo fechado 2018 com 7.095 trabalhadores.

O BPI foi a instituição financeira que registou menos diminuições de pessoal, com 4.888 trabalhadores no final de 2018, menos 42 pessoas que em 2017 (4.930).

Em termos de agências, o total de 254 estabelecimentos a menos (2.266 em 2017 para 2.012 em 2018) deve-se sobretudo à atividade de encerramento do Santander Totta, com menos 147 balcões. A filial do espanhol Santander em Portugal completou o seu processo de fusão com o Popular durante o ano de 2018.

Assim, o banco, cuja liderança é encabeçada por Pedro Castro e Almeida, acabou 2018 com 523 agências, o que compara com as 670 no final de 2017.

Na tabela de encerramentos segue-se o banco liderado por Paulo Macedo, que fechou 65 agências em 2018, passando de 587 em 2017 para 522 no final do ano passado.

O BCP, liderado por Miguel Maya, acabou 2018 com 546 agências em Portugal, menos 32 do que as 578 existentes no final de 2017.

Já o BPI contou com menos 10 balcões, uma diferença justificada pelos 421 balcões existentes no final de 2018 face aos 431 de 2017.

De fora destas contas ficam o Banco Montepio e o Novo Banco, que ainda não apresentaram contas relativas ao ano passado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.