César acusa Negrão de indelicadeza e separa apoios às viagens de falsos registos e moradas

O líder parlamentar do PS acusou hoje o seu homólogo Fernando Negrão de ter feito "uma declaração indelicada e grave", e considerou que os apoios às deslocações dos deputados são "um assunto completamente diferente" dos falsos registos e moradas.

No final de uma audiência do PS com o Presidente da República, César foi questionado sobre as palavras do líder parlamentar do PSD, que pouco antes o tinha acusado no parlamento de não ter legitimidade para falar sobre o caso das presenças fantasmas de deputados devido ao "problema ainda não esclarecido" do reembolso de viagens.

O líder da bancada social-democrata considerou ainda que se se aplicasse "o princípio por ele enunciado", Carlos César "já não seria deputado do PS".

"Não tem razão nisso, é uma declaração indelicada e sobretudo grave, porque o líder parlamentar do grupo parlamentar do PSD conhece bem a diferença daquilo que está em causa", afirmou Carlos César, em declarações aos jornalistas no Palácio de Belém.

O presidente do PS, que hoje defendeu o afastamento de deputados socialistas que eventualmente tenham comportamentos fraudulentos, foi questionado em concreto sobre pelo menos uma situação de uma alegada morada falsa na sua bancada, da deputada Elza Pais.

"Em relação ao caso das moradas, como sabem, foi anunciada publicamente uma investigação do Ministério Público, aguardemos pelo seu desfecho, mas não deixaremos de agir na comprovação de quaisquer atitudes dolosas da forma como disse: que é não entender que essas pessoas possam coabitar com o grupo parlamentar, existindo essas irregularidades e a sua comprovação", afirmou.

O também presidente do PS considerou "assunto completamente diferente" os apoios dados pelo parlamento para deslocações aos deputados quer do Continente quer das Regiões Autónomos.

"Todos os deputados, quer do Continente quer das Regiões Autónomas cumprem escrupulosamente regulamentos que lhes são aplicáveis", afirmou, admitindo que será importante "revisitar esse sistema" para garantir "mais equidade no tratamento de cada caso", o que será feito num grupo de trabalho.

"O que a Assembleia da República deve pretender é que os deputados se desloquem livre e frequentemente aos seus círculos eleitorais", defendeu.

O dia parlamentar de hoje está a ficar marcado, nos corredores de São Bento, pela demissão da deputada Mercês Borges dos cargos que ocupava na bancada do PSD, horas depois de o jornal 'online' Observador ter noticiado que foi ela a votar pelo deputado Feliciano Barreiras Duarte, ausente no momento da votação, no Orçamento do Estado de 2019, em 30 de novembro.

Carlos César, bem como outros deputados do PS, PSD e Bloco de Esquerda eleitos pelos círculos dos Açores e da Madeira estão envolvidos numa polémica por beneficiarem nas suas deslocações de um apoio pago pela Assembleia da República em acumulação com um reembolso por serem residentes nas duas regiões autónomas.

A notícia sobre a duplicação de abonos para deslocações dos deputados eleitos pelas Regiões Autónomas foi avançada, em abril, pelo semanário Expresso e levou à renúncia do deputado do Bloco de Esquerda eleito pela Madeira Paulino Ascensão.

Em abril, Carlos César rejeitou que beneficie de duplo apoio nas suas viagens aos Açores, salientando que o atual modelo vigora há várias décadas, tendo sido também utilizado por quem assumiu altos cargos do Estado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.