Cerca de 90% dos funcionários já estavam a receber 635 euros por fases - Frente Comum

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública afirmou hoje que 90% dos 70 mil trabalhadores abrangidos pela nova remuneração base do Estado de 635,07 euros já estavam a receber este valor, mas por fases.

A dirigente da Frente Comum, Ana Avoila, falava aos jornalistas à saída de uma reunião com a secretária de Estado da Administração Pública, Fátima Fonseca, no Ministério das Finanças, em Lisboa, sobre o diploma que coloca a remuneração mínima do Estado em 635,07 euros e que entrou em vigor na quinta-feira.

Segundo a sindicalista, "cerca de 90%" dos trabalhadores abrangidos pelo diploma já estavam a receber desde o ano passado 635,07 euros por via do decreto-lei de execução orçamental que garantia a progressão para esta posição na tabela salarial aos assistentes operacionais. Porém, estes trabalhadores estavam a receber a progressão de forma faseada, estando atualmente a ganhar 607 ou 609 euros, acrescentou.

Para a líder sindical, o diploma "prejudica os trabalhadores" e "rouba os pontos" da avaliação de desempenho, além de criar "discriminações" já que permite que um trabalhador que entre agora no Estado ganhe os mesmos 635,07 euros que outro com 20 anos de carreira.

"É inadmissível o Governo querer partir para uma futura negociação [da tabela remuneratória única], se é que o quer fazer, com a aplicação de um decreto que limpa os pontos a toda a gente", considerou a dirigente da Frente Comum.

Ana Avoila considerou ainda que a reunião de hoje nas Finanças foi um "'show off' político" para o Governo "mostrar que está a negociar", quando, ao invés disso, publicou um diploma "totalmente diferente daquilo que foi apresentado aos sindicatos com alterações que profundas que invertem a lógica toda".

"Não estamos disponíveis para nos sentarmos e fazer 'show offs' políticos", disse a sindicalista, acrescentando que faltam meses para as eleições legislativas e o Governo "tem pouco tempo para resolver os problemas da administração pública".

Segundo o Governo, a nova remuneração base da administração pública abrange cerca de 70 mil funcionários públicos, mas nem todos terão o mesmo acréscimo salarial.

Por exemplo, um trabalhador que ganhe um salário de 601,3 euros terá um aumento de 33,77 euros. Como o acréscimo é superior a 28 euros (impulso mínimo obrigatório), fica sem os pontos da avaliação de desempenho.

Questionada sobre quantos trabalhadores se enquadram nas diversas situações, a secretária de Estado da Administração e do Emprego Público disse que só é possível obter esses dados quando os salários forem processados.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.