Cerca de 30% das cirurgias adiadas por greve de enfermeiros já foram feitas no SNS

Cerca de 30% do total de cirurgias canceladas devido à greve dos enfermeiros no final do ano passado já foram realizadas até meados deste mês e todas no Serviço Nacional de Saúde, segundo os dados oficiais.

Ao todo, os números do Ministério da Saúde enviados à agência Lusa mostram que foram realizadas até 13 de janeiro 2.291 operações das mais de 7.500 canceladas entre 22 de novembro e 31 de dezembro, período durante o qual durou a greve dos enfermeiros em blocos operatórios em cinco grandes centros hospitalares.

Entretanto, foram também já reagendadas outras 2.314 operações e que estão previstas realizar até dia 13 de fevereiro.

As restantes cirurgias, cerca de 2.900, vão ser reprogramadas para serem feitas até dia 31 de março, tanto em hospitais do Serviço Nacional de Saúde como em entidades convencionadas, ao abrigo de vale cirurgia, caso ultrapassem o tempo máximo de resposta garantido.

O Centro Hospitalar do Porto foi o que mais cirurgias adidas já realizou até dia 13 de janeiro, conseguindo fazer 654 operações das 1.913 canceladas devido à greve.

O Centro Hospitalar de São João, no Porto, foi o que teve mais cirurgias adiadas devido à greve, num total superior a 2.400, tendo já realizado 559.

No Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra foram realizadas 650 das 1.741 adiadas, no Centro Hospitalar Lisboa Norte foram feitas 285 cirurgias das 816 adiadas e em Setúbal fizeram-se até 13 de janeiro 143 das 578 operações canceladas.

A agência Lusa tentou, junto do Ministério da Saúde, perceber o impacto financeiro da greve cirúrgica nas várias instituições, mas até ao momento não obteve resposta.

Há cerca de uma semana, a administração do Centro Hospitalar Lisboa Norte anunciou, no parlamento, que a greve dos enfermeiros em blocos operatórios teve um impacto financeiro de pelo menos de 1,8 milhões de euros só em perda de proveitos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.