Centro Histórico de San Diego cria museu para preservar memória de pescadores portugueses

O Centro Histórico Português de San Diego, nos EUA, concebeu um projeto para transformar um barco de pesca do atum num museu dedicado a preservar a memória dos pescadores portugueses, disse à Lusa a presidente, Therese Garces.

A responsável da organização, Portuguese Historical Center, na designação original em inglês, referiu que as conversações com as autoridades portuárias para avançar com o projeto vão decorrer nas próximas semanas.

"Daqui a dez anos ninguém vai saber o que era um barco de pesca do atum", afirmou a luso-americana, explicando que a comunidade portuguesa foi uma das grandes responsáveis pelo florescimento da indústria nos séculos XIX e XX e que a intenção é "manter a história" porque "foi uma parte enorme de San Diego".

O projeto tem aspetos semelhantes à conservação do "Star of India", um navio de 1863 que é mantido pelo Museu Marítimo da cidade e é considerado o mais antigo do mundo que continua a poder navegar.

Muitas das histórias dos pescadores portugueses que fizeram do sul da Califórnia a sua casa serão contadas hoje num simpósio organizado pelo Centro Histórico, sob o mote "A Pesca do Atum em San Diego: Uma Perspetiva Portuguesa".

Outrora conhecida como "A Capital Mundial do Atum", San Diego perdeu a maior parte da indústria devido a vários fatores, incluindo o reforço da regulação, o aumento do custo de vida na região e a concorrência de barcos com mão de obra estrangeira mais barata.

"San Diego transformou-se numa atração turística com muitos barcos de cruzeiro", disse Therese Garces, apontando que no século passado existiam onze fábricas de conservas ao longo da costa.

"Agora não há nenhuma", referiu. "Ninguém quer uma fábrica mal cheirosa ao lado do Hilton", acrescentou.

No simpósio sobre "a era dourada da pesca do atum" serão contadas histórias de pescadores e empresários da indústria com foco na influência lusa, visto que "95% do que foi a pesca do atum veio dos portugueses, incluindo as técnicas para salvar os golfinhos", destacam os promotores da iniciativa.

O Centro Histórico Português espera uma audiência de 200 pessoas, composta sobretudo por norte-americanos que "querem conhecer a indústria e saber mais sobre os portugueses", segundo a organização.

Na comunidade luso-americana de San Diego já são raras as famílias com barcos de pesca, contou Therese Garces.

"Tínhamos 50 famílias com barcos, agora há quatro", revelou, sublinhando que "não é algo que se queira que os filhos continuem" porque "é uma indústria a morrer".

O simpósio e o barco-museu são duas iniciativas do Centro Histórico Português para preservar a memória, além do "Tunaman Memorial", uma escultura em bronze que homenageia os pescadores de atum que perderam a vida no mar.

"Queremos que as pessoas conheçam a história", disse Therese Garces, e "que [esta] não seja esquecida".