Cento e cinquenta caloiros apanham batata em praxe solidária na Golegã

Cerca de 150 caloiros da Catolica-Lisbon participam na quarta-feira, nos campos agrícolas da Golegã, num "dia solidário", alternativa às praxes tradicionais, apanhando batata que ficou nos campos depois da colheita e que se destina aos Bancos Alimentares da região.

Visando a integração dos novos alunos das licenciaturas em Economia e Gestão no ambiente académico, e fomentando o espírito solidário, a iniciativa de combate ao desperdício nacional visa este ano, na terceira edição, ultrapassar as mais de 2,5 toneladas de restolho reunidas em 2016 na instituição de ensino, refere uma nota da Católica Lisbon School of Business & Economics.

O projeto "Restolho", com o mote "uma segunda colheita para que nada se perca", nasceu em 2013, numa parceria entre as organizações de agricultores do norte do Vale do Tejo AGROTEJO e AGROMAIS, com sede na Golegã, a Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome e a associação ENTRAJUDA.

Nas várias campanhas já realizadas em diferentes locais, foi possível reaproveitar 70 toneladas de produtos agrícolas que, de outra forma, seriam desperdiçados.

Estima-se que Portugal perca anualmente cerca de um milhão de toneladas de alimentos produzidos para consumo humano, sublinha a nota.

Segundo a Católica, esta "praxe alternativa" vem "responder a uma tendência nacional e internacional e que passa pela vontade dos jovens em participar cada vez mais em ações de responsabilidade social".

A universidade cita dados do Global Entrepreneurship Monitor de 2016, o maior inquérito mundial na área do empreendedorismo, segundo os quais 3,2% da população portuguesa em idade ativa está a lançar organizações de missão social.

"São 160.000 pessoas que estão a procurar empreender para criar um mundo melhor. A maioria destes 160.000 potenciais empreendedores sociais são jovens que procuram desenvolver uma carreira que alie a sustentabilidade económica a uma vida com significado e impacto ao serviço da sociedade", acrescenta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.