Centeno diz que há margem para melhorar regras orçamentais da UE

O ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, defendeu hoje em Lisboa que há margem para melhorar as regras orçamentais da União Europeia (UE), para que sejam mais transparentes e compreendidas pelas populações.

"O Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC) é o nosso compasso de políticas. Precisamos de trabalhar no sentido de uma implementação muito inteligente do PEC e, olhando para o futuro, vejo margem para melhorar as regras orçamentais na Europa", afirmou Mário Centeno.

Numa conferência na Universidade Nova de Lisboa, o presidente do Eurogrupo defendeu que tornar as regras mais transparentes e percetíveis para populações seria "muito positivo".

Para Mário Centeno, para reforçar o ciclo positivo da economia europeia "é preciso fazer com que a zona euro se torne mais forte de forma estrutural e ter uma calibração cuidadosa de políticas".

O ministro das Finanças defendeu a manutenção de 'almofadas' financeiras robustas, "caso o ambiente económico piore", o foco no aumento do investimento -- que "é um problema na zona euro" -- e um "'mix' de políticas nacionais, a nível orçamental e estrutural".

Além disso, Mário Centeno defendeu o aprofundar da união monetária para "prevenir crises futuras", através de uma união bancária e de uma união de mercados financeiros.

"Precisamos de paciência para implementar ambas, mas temos de ver que são cruciais para o nosso futuro na Europa", considerou o ministro.

Questionado pelos alunos sobre se o Eurogrupo vai mudar a postura do ministro, Mário Centeno defendeu que, como economista, é necessário ter "mente aberta" e "não ter medo de cometer erros", considerando que vai aprender "todo o tempo" do seu mandato como líder do fórum de ministros das Finanças da zona euro.

Já o economista André Sapir, que também participou na conferência, aconselhou prudência, apesar de a situação atual em Portugal ser positiva.

"Portugal tem um número de fraquezas, relacionadas com as qualificações e o capital humano", considerou, acrescentando que quando o país aderiu ao euro "foi arriscado", mas que na altura o mundo já era competitivo e continua a ser. "É uma batalha que nunca para", considerou.

Em resposta, o ministro das Finanças defendeu que "é importante para Portugal fazer parte do euro", recordando uma sondagem que concluiu que entre ganhar o Europeu de futebol, a Eurovisão e sair do Procedimento por Défices Excessivos (PDE) foi este último evento que mais aumentou a autoestima dos portugueses.

Mário Centeno e André Sapir encerraram a 3.ª edição do Economia Viva, um ciclo de conferências promovido por alunos da faculdade de economia da Universidade Nova de Lisboa (Nova SBE).

O ministro das Finanças não quis falar aos jornalistas à margem da conferência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.