Centenas de técnicos de diagnóstico protestam contra fim da negociação de carreiras

Largas centenas de técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica saíram hoje, cerca das 14:45, da presidência da República em direção ao parlamento, numa manifestação contra o fim das negociações da revisão da carreira.

A manifestação é encabeçada por alguns dirigentes sindicais e trabalhadores, que ostentam uma faixa negra com a inscrição "violação do direito à igualdade".

Ao som de apitos e buzinas, os trabalhadores desfilam lentamente, muitos vestidos com batas brancas e outros com t-shirts negras, seguram balões negros e cartazes com dizeres como "19 anos de profissão=zero de valorização", "carreira digna-salário justo" ou "não queremos beijinhos, queremos anos contadinhos".

Um dos trabalhadores segurava um cartaz com a fotografia do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a simular que espetava uma faca nas costas de um trabalhador, acompanhada da inscrição "Avaliação do Presidente: insuficiente".

Outro cartaz, com forma de lápide, tinha escrito "Aqui jaz a carreira dos TSDT -- 31/08/2017 -- 03/02/2019".

Em declarações à agência Lusa, o presidente do Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica (SNTDT), Luis Dupont, afirmou que o protesto tem como objetivo mostrar "indignação e revolta" destes profissionais pela publicação do decreto-lei que regulamenta as transições e a grelha salarial de revisão de nova carreira sem o aval dos sindicatos.

O protesto teve início com uma concentração em frente ao Palácio de Belém, em Lisboa, porque "o senhor Presidente da República não ouviu o apelo destes profissionais que lhe solicitaram uma audiência para apresentarem matérias que consideram incondicionais nesse diploma".

Maria Hilário, analista há 24 anos, disse estar "bastante triste" com a decisão do Governo em relação aos profissionais de saúde, "que tanta dedicação e formação académica têm para darem o melhor à saúde em Portugal e não são reconhecidos".

"E é assim que o Presidente nos recebe e nos depara com um diploma sem opinião nossa e dos sindicatos que nos representam. "É esta luta que nos faz estar aqui hoje, pela saúde dos portugueses", declarou.

A especialista questionou ainda se o Presidente da República "acha que 24 anos de serviço dedicado à saúde e aos portugueses é pouco".

"Nós, os técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica não somos portugueses?", perguntou ainda Maria Hilário, licenciada na área das análises clínicas de saúde pública e que tem um mestrado e um licenciamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.