Cees Bol vence corrida Nokere Koerse marcada pelas quedas no final

O ciclista holandês Cees Bol (Sunweb) venceu hoje ao 'sprint' a 74.ª edição da corrida belga Nokere Koerse, aproveitando um final marcado pelas quedas para bater sobre a meta o alemão Pascal Ackermann (BORA-hansgrohe), segundo.

Bol, de 23 anos, superiorizou-se a Ackermann, um dos favoritos, e ao belga Jasper Philipsen (UAE Emirates), terceiro, para cortar a meta em primeiro, cumprindo os 195,6 quilómetros que ligaram Deinze a Nokere em 4:32.37 horas.

No ano de estreia como profissional numa formação WorldTour, o corredor da Sunweb conseguiu hoje a maior vitória da carreira, dando seguimento à tradição da prova, que só por sete vezes, ao longo de 74 edições, foi conquistada por um corredor que não fosse belga ou holandês.

Num percurso duro e marcado por vários setores de empedrado e muitas quedas, a pior parte estava guardada para a parte final, em que o alemão Max Walscheid, da Sunweb, caiu e ficou arredado de lutar pela vitória, assim como o campeão mundial de ciclocrosse, o belga Mathieu van der Poel (Corendon-Circus), a estrear-se este ano na estrada.

Em bom plano esteve o português André Carvalho (Hagens Berman Axeon), de apenas 21 anos, conseguindo um 15.º posto a cinco segundos do grupo que disputou a vitória final, na segunda corrida na nova temporada, depois da transferência da Liberty Seguros-Carglass para a formação norte-americana.

Rui Oliveira cortou a meta em 128.º, a mais de oito minutos do vencedor, enquanto o irmão e colega de equipa na UAE Emirates, Ivo Oliveira, abandonou a 'semi clássica', que antecede a Bredene-Koksijde, 'clássica' marcada para solo belga na sexta-feira.

Durante a manhã, decorreu a primeira edição da prova para o pelotão feminino, tendo-se mantido a tendência: a holandesa Lorena Wiebes (Parkhotel Valkenburg) triunfou num percurso idêntico ao masculino, mas de distância mais reduzida (121,6 quilómetros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.