CDS-PP questiona Governo sobre dívidas da ULS/Guarda à Casa de Saúde Bento Menni

Os deputados do CDS-PP João Rebelo e Ana Rita Bessa questionaram o Governo sobre quando será saldada a dívida da Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda à Casa de Saúde Bento Menni, foi hoje anunciado.

Numa pergunta enviada à ministra da Saúde através da Assembleia da República, os deputados "querem confirmação" de que a dívida da ULS da Guarda à Casa de Saúde Bento Menni "representa já o valor de 1.533.387,99 euros".

Segundo o CDS-PP, João Rebelo e Ana Rita Bessa também questionam se a titular da pasta da Saúde sabe que aquela instituição "depende financeiramente da ULS da Guarda em cerca de 70% do seu orçamento e, se sim, por que motivo não é dada prioridade aos pagamentos da dívida" a esta Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS).

No documento, os deputados perguntam ainda "se os pagamentos não têm sido realizados devido a 'cativações' impostas ao Ministério da Saúde".

O CDS-PP lembra que, de acordo com responsáveis daquela IPSS, "a situação tem vindo a piorar nos últimos dois anos, sendo que o pouco que tem sido pago é-o depois de muita insistência (...) e que a ULS da Guarda, de que a Casa de Saúde Bento Menni depende financeiramente em cerca de 70% do seu orçamento, tem justificado os atrasos com constrangimentos financeiros e 'cativações' impostas ao Ministério da Saúde".

O partido sublinha, em nota hoje divulgada, que foi recentemente revelado que a dívida da ULS da Guarda à Casa de Saúde Bento Menni é no valor de 1.533.387,99 euros.

A Casa de Saúde Bento Menni está instalada na cidade da Guarda e é uma IPSS gerida pelo Instituto das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus.

Trata-se de uma instituição vocacionada para a prestação de cuidados em saúde mental, integrando as áreas de psiquiatria, psicogeriatria e deficiência mental, dispondo de uma lotação de 168 camas, essencialmente adstritas a doentes de média e longa duração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.