Cavaco diz que tentou "reduzir os riscos" da solução inédita de governação com PS, PCP e Bloco

O ex-Presidente da República Cavaco Silva disse hoje, sobre o "demorado e complexo" processo que culminou na posse de António Costa, que procurou "reduzir os riscos" de uma solução "inédita" e evitou deixar a decisão para o seu sucessor.

"[Este livro] descreve como atuei no demorado e complexo processo de gestação do Governo que os portugueses apelidam de 'geringonça'. Reuni-me com dezenas de pessoas para obter informação para reduzir os riscos que podiam resultar de uma solução completamente inédita em 40 anos de democracia", disse o antigo Presidente da República.

Aníbal Cavaco Silva falava numa livraria na cidade do Porto, onde apresentou o segundo volume do seu livro "Quinta-feira e outros dias", perante uma audiência de cerca de meia centena de pessoas.

Já numa fase reservada a perguntas, Cavaco Silva explicou melhor o período que antecedeu a posse de António Costa como primeiro-ministro, lembrando que tinha trabalhado com outros dois líderes socialistas que lhe tinham sido "claros".

"Tinham-me dito 'nunca será possível pelo nosso partido coligar-se com esses dois partidos. Bloco de Esquerda e PCP não merecem a nossa confiança'. Disseram sempre de forma clara", descreveu Cavaco Silva, sem indicar os nomes dos líderes socialistas, sendo que na obra são mencionados José Sócrates e António José Seguro.

"Um Presidente da República não pode deixar de tentar reduzir os riscos que podem surgir durante uma governação formada dessa forma. Entreguei um memorando ao atual primeiro-ministro com as condições que considerava fundamentais que fossem respeitadas na governação e ele tinha de dar uma resposta por escrito. Não queria deixar para o próximo Presidente da República a decisão de dissolver ou não a Assembleia", descreveu.

Antes, Cavaco Silva, que não falou aos jornalistas à entrada nem à saída da sessão, reforçou que considera "um imperativo a prestação de contas por parte daqueles que exerceram cargos públicos", apontando que, do seu ponto de vista, "os diálogos entre Presidente da República e primeiro-ministro devem ser mantidos reservados durante o exercício das funções presidenciais", mas depois podem ser divulgados.

"Portugal deve ser um dos poucos países democráticos em que há políticos e comentadores que consideram que as conversas regulares entre o Presidente da República e um primeiro-ministro são privadas. É um total absurdo. Trata-se de conversas sobre assuntos do Estado, conversas com influência na vida dos portugueses e no futuro do país. No final do mandato, por uma questão de transparência, os portugueses podem saber como é que eu atuei na defesa do superior interesse nacional", salientou.

Sobre esta matéria, em jeito de reação às críticas que lhe têm sido feitas sobre a divulgação de acontecimentos enquanto era chefe de Estado, Cavaco Silva convidou os críticos a "consultarem biografias de políticos das democracias ocidentais".

"Basta consultarem para perceber quão anormais e quão esquisitas são as posições daqueles que, entre nós, defendem que as conversas têm de ser mantidas reservadas depois de terminado o mandato. Essas posições, de alguns políticos portugueses, são reflexo da má tradição que existe em Portugal de falta de prestação de contas de quem exerceu altas funções públicas", disse o ex-Presidente.

Ao longo da sessão, Cavaco Silva enumerou ainda alguns dos temas que marcam o livro, destacando a revisão do Estatuto Político-administrativo dos Açores, o qual considerou um dos seus "maiores contributos para a defesa do superior interesse nacional".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.