Caso denunciado por Caster Semenya terá decisão até dia 26 de março

A decisão sobre o pedido de Caster Semenya de invalidação da regulamentação internacional imposta a atletas femininas que produzam naturalmente muita testosterona será feita até dia 26 de março, anunciou hoje o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS).

"O painel vai começar agora as suas deliberações sobre este caso, que pode ser considerado como um dos mais marcantes que o TAS já conheceu, e preparar a decisão que deverá ser anunciada pelo TAS, no máximo, dia 26 de março de 2019", lê-se no comunicado do TAS.

Ao longo da semana, o TAS analisou o recurso da campeã sul-africana Caster Semenya contra o novo regulamento a Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF).

Este regulamento exige às atletas 'hiperandrógenas' que reduzam os seus índices de testosterona através do uso de medicação, para que possam participar nas provas internacionais de distâncias entre os 400 metros e a milha (1.609 m).

O TAS tem vindo a ouvir, desde segunda-feira passada, especialistas e testemunhas, como o presidente do IAAF, Sebastian Coe, a ministra do desporto sul-africana, Tokozile Xasa, e Caster Semenya, autora do pedido, que encerrou as audiências feitas pelo tribunal.

Caster Semenya, tricampeã mundial (2009, 2011, 2017) e bicampeã olímpica de 800 metros (2012 e 2016), garante ser "inegavelmente uma mulher" e denuncia as regras destinadas, no seu entender, a obrigá-la a "abrandar".