Casa de Miguel Torga em Sabrosa recuperada para museu e polo turístico

A casa de Miguel Torga, em São Martinho de Anta, Sabrosa, vai ser recuperada e adaptada a um espaço museológico e de memória do escritor e médico, anunciou hoje a Direção Regional da Cultura do Norte (CCDR-N).

Segundo a DRCN, o contrato de financiamento para a execução do projeto vai ser celebrado na sexta-feira, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em Vila Real.

Miguel Torga, cujo nome de batismo era Adolfo Correia da Rocha, nasceu a 12 de agosto de 1907 em São Martinho de Anta, concelho de Sabrosa (Vila Real), e morreu a 17 de janeiro de 1995, em Coimbra.

O edifício térreo, datado de 1950, foi doado em 2014 pela filha do escritor, Clara Crabbé Rocha, à DRCN. A casa possui um 'hall', uma cozinha e sanitário, uma sala de estar e três quartos.

A DRCN desenvolveu, entretanto, um projeto para transformar a antiga e pequena casa de Torga num espaço de visita.

O projeto, que compreende um investimento total de 341 mil euros será objeto de financiamento em 90% pelo Turismo de Portugal, através da Linha de Apoio à Valorização Turística do Interior do programa Valorizar -- Programa de Apoio à Valorização e Qualificação de Destino.

O projeto, segundo a DRCN, inclui a adaptação da casa e terreno circundante num espaço museológico e polo turístico, dedicado à vida e obra de Miguel Torga, bem como a implementação de um plano de comunicação turístico-cultural do espaço, através da dinamização dos roteiros torguianos.

A ideia passa por transformar este projeto no ponto de partida para uma rota turística dedicada a Miguel Torga.

Este roteiro poderá permitir aos turistas visitar a região, guiando-se pelos lugares que inspiraram o escritor, desde o largo do Eirô, a capela de Nossa Senhora da Azinheira, o santuário rupestre de Panóias, os miradouros de São Leonardo da Galafura ou de São Salvador do Mundo.

Torga inspirou-se na sua aldeia e nas paisagens do Douro para criar muitas das suas obras, desde os poemas, os contos ou os romances, como a "Criação do Mundo", "Bichos", "Contos da Montanha" e "Vindima".

O processo de classificação da casa de Torga como monumento de interesse público (MIP) encontra-se atualmente em curso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".