Canadá recomenda à população mais proteínas vegetais e menos animais

O Canadá atualizou o guia alimentar do país, pela primeira vez em 12 anos, e recomendou à população que aumente o consumo de vegetais e reduza os produtos lácteos, a carne e o peixe.

"Comer alimentos como vegetais, frutas, grãos integrais e proteínas vegetais pode ter efeitos positivos na saúde", apontou o Canadian Food Guide.

Outra novidade do guia, que o Canadá começou a publicar em 1942 como um programa de nutrição durante a Segunda Guerra Mundial, é a recomendação da água como bebida principal e a redução do consumo de sumos como forma de reduzir a ingestão de açúcar.

Além disso, o guia alimentar aconselha que os canadianos comam mais alimentos cozinhados em casa.

Atualmente, 30% dos gastos com alimentação dos canadianos são em compras de refeições já preparadas.

A recomendação para reduzir o consumo de produtos lácteos e carnes foi criticada por produtores canadianos, segundo os quais estes conselhos terão efeitos negativos na saúde da população a longo prazo.

A Associação de Produtores de Laticínios do Canadá apontou, em comunicado, que as recomendações do novo Canadian Food Guide "não refletem as evidências científicas mais avançadas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.