Canadá cancela deportação de família portuguesa prevista para segunda-feira

A deportação da família portuguesa do Canadá para Portugal prevista para esta segunda-feira "foi cancelada", disse hoje à agência Lusa um dos elementos do agregado familiar.

"A nossa deportação está cancelada. Recebi no sábado um telefonema de um elemento da Agência de Serviços de Fronteiras informando-me que a deportação estava anulada", confirmou Luiz António Rodrigues Bonito, de 56 anos.

O emigrante português confessou que na altura ficou "com algum receio", pois "não tinha nenhuma informação por escrito", mas este domingo, o cancelamento da deportação foi-lhe também "confirmado" pelo gabinete do deputado federal Doug Eyolfson, eleito pelo distrito de Charleswood - St. James - Assiniboia - Headingley, em Winnipeg, garantindo-lhe que esta semana ser-lhe-ão "facultados mais detalhes".

Luiz António Rodrigues Bonito, a sua mulher, Sandra Suarez de Rodrigues, 51, e a filha Ana Sofia, de 11 anos, - a viverem no Canadá desde 2015 e oriundos da Venezuela, estavam para ser deportados no dia 18 de fevereiro, após os vistos para residência permanente lhe terem sido recusados por várias ocasiões.

A intervenção do ministro da Imigração, Cidadania e Refugiados do Canadá, Ahmed Hussen, "foi importante no desfecho deste processo".

"O ministro da Imigração interveio no caso e vão-nos conceder dois anos de residência permanente no Canadá, período em que teremos a oportunidade de nos preparar para a candidatura a programas de imigração", acrescentou.

Luiz Bonito, filho de emigrantes da Madeira no Brasil, nasceu em São Paulo, mas aos 17 anos mudou-se para a Venezuela, país onde passou três décadas da sua vida.

Após um assalto à sua residência e um roubo ao seu estabelecimento comercial em 2014, a família mudou-se para Winnipeg, onde Bonito tem um irmão a morar desde 1980.

Luiz Bonito chegou ao Canadá com um visto de turista em 2015, bem como a mulher e a filha.

Após ter-lhe sido recusado o visto para o Programa de Trabalhadores Qualificados do Canadá, pediu o visto para o Programa Provincial de Nomeação do Manitoba, mas também não teve sorte.

Em 2017, o português candidatou-se ao estatuto de compaixão e humanitário, mas também foi recusado.

Luiz Bonito reconheceu o importante contributo durante todo o processo do Governo de Portugal, através do cônsul-geral honorário em Winnipeg, Paulo Cabral, e do chanceler na embaixada em Otava, Domingues Gonçalves.

O português mostra-se feliz pela decisão de cancelamento da deportação "mais pela filha", Ana Sofia, que já está integrada na sociedade em Winnipeg, e "teria dificuldades" em Portugal, visto que nasceu na Venezuela e "não fala português".

"Temos aqui bons amigos que pretendiam que ficássemos em Winnipeg. Portugal não é um mau país, seria um país estranho, até porque ela fala espanhol e não percebe português. Seria difícil para a minha filha se adaptar", justificou.

Agora durante os dois anos de residência permanente concedidos por Otava, Luiz Bonito acredita que terá alternativas para "fazer do Canadá a sua casa permanente" tendo para isso várias opções, tais como o Programa de Nomeação Provincial do Manitoba, ou outros programas federais".

"Acho que se deram conta de que somos boas pessoas e estamos aqui para contribuir para este país", concluiu.

A agência Lusa tentou contactar a Agência de Serviços de Fronteiras do Canadá, mas não obteve nenhuma resposta visto que esta segunda-feira é feriado na província do Manitoba devido às comemorações do Dia de Louis Riel. No Ontário, Nova Brunswick, Alberta, Saskatchewan e Colúmbia Britânica, celebra-se o Dia da Família.

Ler mais

Exclusivos