CAN2019: Moçambique vai entrar em campo para ganhar -- Abel Xavier

O treinador da seleção de futebol de Moçambique, Abel Xavier, disse na quinta-feira que a sua equipa vai entrar em campo no sábado frente à Guiné-Bissau para ganhar, apesar da ausência de Zainadine, capitão dos "Mambas".

"Obviamente, o Zainadine é o líder do nosso grupo. É uma ausência forçada, mas estou confiante porque tenho outros jogadores", afirmou aos jornalistas Abel Xavier, momentos depois de o avião que transportava a seleção moçambicana ter aterrado no aeroporto Osvaldo Vieira, em Bissau.

A seleção moçambicana joga no sábado com a Guiné-Bissau na última jornada do grupo K de qualificação para a Taça das Nações Africana, que decorre entre 21 de junho e 19 de julho no Egito.

"Iremos entrar em campo com uma equipa extremamente forte e competitiva", garantiu o antigo internacional português, que lidera os "Mambas" desde 2016.

O grupo K de qualificação para a Taça das Nações é liderado pela Guiné-Bissau com oito pontos, seguido da Namíbia com a mesma pontuação, Moçambique com sete e Zâmbia com quatro.

No jogo de sábado, a Guiné-Bissau precisa apenas de um empate para garantir a qualificação para a Taça das Nações Africanas pela segunda vez. A primeira foi em 2017.

Já Moçambique precisa de vencer a Guiné-Bissau para ser apurado.

"Nós chegámos convictos de que somos uma equipa também forte, uma equipa que a Guiné-Bissau respeita e uma equipa que tem crescido. É um jogo decisivo, talvez mais para nós, porque há um resultado favorável à Guiné-Bissau, mas nenhum jogador e treinador entra para um jogo desta natureza sem ser para ganhar", salientou Abel Xavier.

O jogo de sábado vai decorrer no Estádio Nacional 24 de Setembro a partir das 16:30 (mesma hora em Lisboa).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.