Campanha de segurança rodoviária para emigrantes vai ser lançada a 01 de julho

A associação de jovens lusodescendentes de França, Cap Magellan, vai lançar, a 01 de julho, em Paris, a 15.ª edição da campanha de segurança rodoviária para acompanhar os emigrantes na estrada nas férias de verão.

A campanha, intitulada "Sécur'été", visa reduzir o número de acidentes nas estradas durante as viagens a Portugal e nas saídas noturnas, estando previstas ações de sensibilização junto dos automobilistas em estações de serviço, em discotecas e em festivais.

"A campanha continua a ter dois eixos principais. O primeiro é para os automobilistas que vão em direção a Portugal e têm 2.000 quilómetros pela frente. O segundo é direcionado para os jovens e vamos incidir essencialmente na temática do álcool", explicou à Lusa Luciana Gouveia, delegada-geral da Cap Magellan.

A "primeira ação de terreno" vai ser na discoteca Mikado, em Paris, a 01 de julho e vai contar com a presença do apresentador de televisão José Carlos Malato, que é "padrinho da campanha" pela sexta vez.

Este ano, a associação vai "insistir na questão dos incêndios" junto dos emigrantes, na sequência do fogo de Pedrógão Grande que provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos, ainda que o tema dos fogos florestais conste no "guia de verão" editado anualmente pela Cap Magellan e distribuído durante as ações de campanha de segurança rodoviária.

"Vamos relembrar às pessoas os cuidados que devem ter, com chamadas de atenção para os cigarros atirados para o chão e para a limpeza à volta das casas", afirmou.

Este ano, pela segunda vez, a associação vai estar presente, a 15 e 16 de julho, numa estação de serviço da Estrada Centro Europa Atlântica (RCEA, na sigla francesa), onde em janeiro morreram quatro portugueses num acidente de autocarro e em março do ano passado 12 portugueses morreram a bordo de uma carrinha sobrelotada.

"É a estrada que atravessa todo o centro da França e é bastante problemática e muito perigosa. Nos últimos dois anos, houve acidentes muito graves que afetaram portugueses. Vamos estar na ?aire des verités' em parceria com o Centre Franco-Portugais de Bourges e membros da Prefeitura de Allier, com informações aos automobilistas e para alertar para os perigos desta estrada em particular", acrescentou Luciana Gouveia.

Habitualmente, os voluntários da "Secur'été" também estão na área de serviço de Bordéus-Cestas, em França, mas como este ano ela está fechada para obras, a associação ainda está a definir o novo local onde haverá ateliês de relaxamento e massagens, em colaboração com uma escola de fisioterapeutas, além dos habituais conselhos de prevenção rodoviária.

Em Portugal, os voluntários da Cap Magellan vão receber os emigrantes em Vilar Formoso, Vila Verde da Raia e Valença no fim de semana de 29 e 30 de julho "que é anunciado já como um fim de semana negro em termos de tráfego rodoviário".

Nas duas primeiras semanas de agosto, a campanha vai continuar nas discotecas do norte e centro de Portugal, no Leiria Dance Floor e no Festival de Sines, com a distribuição de testes de alcoolemia e a atribuição de pulseiras ao "condutor designado para não beber".

A campanha vai contar, no total, com 150 voluntários.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...