Câmara de Vidigueira cria centro para promover e valorizar vinho de talha

A Câmara de Vidigueira, no Alentejo, vai criar um centro interpretativo em Vila de Frades para promover e valorizar o vinho de talha enquanto património e fator de desenvolvimento económico e turístico do concelho, foi hoje anunciado.

Segundo o presidente do município, Rui Raposo, a autarquia, no distrito de Beja, acredita que a produção artesanal de vinho de talha, uma prática milenar de vinificação típica do Alentejo e que o município quer candidatar a Património da Humanidade, pode ser um "catalisador" para criação de novas empresas e atividades culturais e criativas para "tirar partido do vasto espólio temático" associado e existente no concelho.

O Centro Interpretativo do Vinho de Talha irá nascer num edifício que o município vai construir de raiz no centro de Vila de Frades, situada no concelho e que se assume como "capital do vinho de talha", disse o autarca à Lusa.

A obra de construção do edifício do centro vai implicar um investimento de cerca de 400 mil euros, que será cofinanciado em 60% por fundos comunitários, sendo a verba restante assegurada pelo município.

De acordo com o autarca, a obra, que tinha começado no verão, mas teve de parar em novembro de 2017, vai recomeçar no início de setembro e deverá terminar no final deste ano.

A empreitada, que tinha sido lançada pelo anterior executivo, começou sem o visto do Tribunal de Contas (TdC) e teve de parar porque a emissão do visto foi recusada, explicou.

Por isso, continuou, o município teve de iniciar um novo procedimento para adjudicar a obra, que incluiu um novo concurso público, e aguardar pelo visto do TdC.

Segundo Rui Raposo, a obra já obteve o visto e foi adjudicada ao mesmo empreiteiro que ganhou o novo concurso e tinha ganhado o anterior e iniciado a obra.

O executivo do município, eleito em 2017, está "a analisar o que estava projetado" para o centro pela anterior gestão autárquica e "a estudar" para depois "decidir quais as melhores ofertas e apostas" da infraestrutura, afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?