Câmara de Lisboa admite atraso em relação às salas de consumo vigiado na capital

O vereador do BE na Câmara de Lisboa, Manuel Grilo, admitiu hoje um atraso no arranque das salas de consumo vigiado, uma vez que é necessário chegar um "máximo consenso" com a comunidade dos locais onde se vão inserir.

"Em relação às salas de consumo vigiado físicas, registamos algum atraso no sentido de que é necessário consensualizar com as comunidades e desde logo com as juntas de freguesia onde se vão situar", afirmou o autarca, em resposta a uma intervenção do deputado do CDS João Condeixa, na reunião da Assembleia Municipal de Lisboa.

Manuel Grilo, do BE -- partido que tem um acordo de governação do concelho com o PS firmado após as últimas eleições autárquicas -, reforçou que está a ser construído um "ambiente de serenidade" para que as duas salas de consumo vigiado, previstas para o Lumiar e Vale de Alcântara, arranquem simultaneamente, sem, no entanto, revelar quando estima estarem em funcionamento.

"As duas salas arrancarão em simultâneo e, portanto, não haverá aqui precipitação no momento de lançamento das salas, de que será construído ao máximo um consenso ou pelo menos uma abertura por parte de todas as forças vivas daquela comunidade", reiterou ainda.

Além destas salas fixas, Lisboa vai contar com uma unidade móvel com paragens nas freguesias de Arroios e Beato, conforme avançou à Lusa o vereador Manuel Grilo, responsável pelo pelouro dos Direitos Sociais, em novembro.

Na altura, o autarca explicou que o município não irá divulgar a data concreta em que a carrinha começará a prestar apoio nas ruas da capital, mas apontou que "ao fim de um mês ou dois será feito um balanço de como está a correr".

Manuel Grilo referiu ainda que estará aberta uma "linha de contacto direto com a polícia", para que as forças policiais "deixem funcionar a carrinha", e, ao mesmo tempo, "garantam a segurança das equipas" que estejam a prestar os cuidados aos utentes da unidade.

O autarca destacou hoje que na semana passada teve uma reunião no Observatório Europeu da Droga, de modo a retirar "da sua experiência algumas ideias sobre a metodologia de monitorização e de avaliação" do programa, para o mesmo "possa correr o melhor possível".

O executivo municipal aprovou em novembro a atribuição de apoios financeiros, de cerca de 136 mil euros, à associação Médicos do Mundo, e de cerca 61 mil euros ao Grupo de Ativistas em Tratamentos, "para suporte dos encargos relativos à criação e manutenção" da unidade móvel que irá funcionar como sala de consumo assistido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.