Califórnia vai investir 2,5 mil milhões USD para ajudar compra de carro elétrico

O governador do Estado da Califórnia, Jerry Brown, apresentou um plano no valor de 2,5 mil milhões de dólares (dois mil milhões de euros) para ajudar os californianos a comprarem carros elétricos e expandir postos de carregamento.

Este plano visa conseguir ter cinco milhões de carros nas estradas em 2030 com zero emissões poluentes.

A ordem executiva de Brown é o passo mais recente para fazer avançar uma ambiciosa agenda de combate às alterações climáticas no seu último ano no cargo.

Brown posicionou a Califórnia como líder global da luta às alterações climáticas, depois de o Presidente norte-americano ter decidido retirar o país do Acordo de Paris.

O número de carros com zero emissões poluentes é uma expansão significativa da meta de Brown de vender 1,5 milhões deste tipo de veículos até 2025. É um aumento de quase 15 vezes o número dos 350 mil veículos sem emissões poluentes que circulam atualmente nas estiradas californianas.

O investimento de 2,5 mil milhões de dólares ainda precisa de ser aprovado pelo congresso estadual.

O plano de Brown estende os subsídios para ajudar as pessoas a comprarem veículos não poluentes. Pretende também ter 250 mil estações de carregamento de veículos elétricos e 200 estações de abastecimento de hidrogénio. Este é um aumento significativo da atual rede, composta por 14 mil estações de carregamento de veículos e 31 de abastecimento de hidrogénio.

A Califórnia vai precisar de reduzir de forma radical a poluição do setor dos transportes para atingir o seu objetivo de redução de gases com efeito de estufa em 40%, com referência ao ano de 1990, até 2030.

A poluição dos carros, camiões e outros modos de transporte representa a maior parte das emissões destes gases.

Este Estado norte-americano tem reduzido com sucesso as emissões das centrais elétricas, graças à adoção generalizada das energia eólica e solar e da hidro eletricidade, mas a poluição dos transportes tem aumentado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.