Cais de Maputo volta a entrar em obras e limita circulação de pessoas e viaturas

O cais de acostagem na baía de Maputo, para embarcações de transporte de passageiros e veículos entre a capital e a margem de Catembe, está de novo em obras, limitando, por tempo indeterminado, a circulação nos dois sentidos, disse à Lusa fonte oficial.

"Quando estávamos a fazer operações de manutenção da ponte de acostagem, notamos que a infraestrutura de baixo estava extremamente degradada. Fomos obrigados a pensar em novas alternativas para resolver este problema", disse o presidente do conselho de administração da Empresa Moçambicana de Transporte Marítimo e Fluvial, Jafar Ruby.

Os trabalhos dizem respeito a uma reparação da estrutura que suporta a ponte metálica que liga ao batelão de acostagem de ferryboats.

"Não temos ainda noção de quando é que a situação estará normalizada, mas não podíamos permitir que a situação continuasse como estava, porque colocava em risco as pessoas, principalmente por causa do peso dos veículos", observou Jafar Ruby.

A alternativa para a circulação de veículos até à margem de Catembe será por estradas, através do distrito de Boane, a sul de Maputo, contornando alguns braços de mar da baía.

Os passageiros, por sua vez, vão passar a usar embarcações mais pequenas, que vão atracar no porto de pescas.

A falta de condições da estrutura, que foi reabilitada em agosto do ano passado, já tinha levado a tutela a restringir a travessia de transportes de carga a viaturas com peso bruto superior a quatro toneladas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.