Cais de Maputo volta a entrar em obras e limita circulação de pessoas e viaturas

O cais de acostagem na baía de Maputo, para embarcações de transporte de passageiros e veículos entre a capital e a margem de Catembe, está de novo em obras, limitando, por tempo indeterminado, a circulação nos dois sentidos, disse à Lusa fonte oficial.

"Quando estávamos a fazer operações de manutenção da ponte de acostagem, notamos que a infraestrutura de baixo estava extremamente degradada. Fomos obrigados a pensar em novas alternativas para resolver este problema", disse o presidente do conselho de administração da Empresa Moçambicana de Transporte Marítimo e Fluvial, Jafar Ruby.

Os trabalhos dizem respeito a uma reparação da estrutura que suporta a ponte metálica que liga ao batelão de acostagem de ferryboats.

"Não temos ainda noção de quando é que a situação estará normalizada, mas não podíamos permitir que a situação continuasse como estava, porque colocava em risco as pessoas, principalmente por causa do peso dos veículos", observou Jafar Ruby.

A alternativa para a circulação de veículos até à margem de Catembe será por estradas, através do distrito de Boane, a sul de Maputo, contornando alguns braços de mar da baía.

Os passageiros, por sua vez, vão passar a usar embarcações mais pequenas, que vão atracar no porto de pescas.

A falta de condições da estrutura, que foi reabilitada em agosto do ano passado, já tinha levado a tutela a restringir a travessia de transportes de carga a viaturas com peso bruto superior a quatro toneladas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.