Brexit: Japão pede em Bruxelas uma "saída suave" que não afete negócios japoneses

Bruxelas, 25 abr 2019 (Lusa) -- O Governo japonês pediu hoje, após uma reunião com líderes europeus em Bruxelas, uma "saída suave" do Reino Unido União Europeia (UE), instando que se evite "ao máximo" um não acordo, que afetaria as empresas japonesas ali instaladas.

"O Japão tem relações económicas fortes com a Europa, nomeadamente com o Reino Unido, e nessa perspetiva espero que o processo de saída seja suave, o que passa por evitar um cenário de 'no deal' [não acordo] e por minimizar impactos adversos para a economia mundial, incluindo para as empresas japonesas", afirmou o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

Falando em conferência de imprensa, em Bruxelas, após a cimeira UE-Japão, Shinzo Abe notou que "muitas empresas japonesas fizeram investimentos no Reino Unido e, por isso, um cenário de não acordo tem de ser evitado ao máximo".

"Já o disse inclusive à primeira-ministra [britânica], Theresa May. Um 'Brexit' suave é o que esperamos", reforçou o chefe de Governo japonês.

Shinzo Abe afirmou ainda esperar que as empresas japonesas possam "continuar a operar no Reino Unido", notando que, para isso acontecer, será necessária "estabilidade regulamentar e transparência".

Recordando que, durante anos, o Reino Unido foi uma "porta de entrada" para as empresas japonesas na UE, o responsável mostrou ainda agrado por, "para já", estar "posto de lado um cenário de não acordo".

Em meados de abril, numa cimeira extraordinária realizada em Bruxelas, a UE e o Reino Unido acordaram uma nova data limite para o 'Brexit', com os 27 Estados-membros a concederem a Londres uma extensão até 31 de outubro, que a primeira-ministra britânica aceitou.

Se, entretanto, o Parlamento britânico aprovar finalmente o Acordo de Saída, que já rejeitou por três vezes, a saída vai concretizar-se no primeiro dia do mês seguinte ao da sua aprovação.

O novo prolongamento do Artigo 50.º exige a participação do Reino Unido nas eleições europeias (entre 23 e 26 de maio) e contempla uma revisão intercalar do processo de saída do país da UE por ocasião do Conselho Europeu de 20 e 21 de junho próximo.

A data de 31 de outubro proposta pela UE a 27 deve-se também ao facto de a futura Comissão Europeia entrar em funções em 01 de novembro.

Shinzo Abe participou hoje na cimeira UE-Japão em representação do lado japonês, sendo que, do lado europeu, estiveram presentes os presidentes da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Em cima da mesa estiveram questões como a cooperação no comércio e na defesa.