Brexit: Irlanda lamenta aumento da "incerteza" e de risco de saída desordenada

O Governo irlandês afirmou hoje que a rejeição pelo parlamento britânico do acordo do 'Brexit' aumenta a "incerteza" sobre o processo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE), abrindo a porta a um divórcio sem acordo.

"Lamentavelmente, o resultado da votação de hoje aumenta o risco de um 'Brexit' desordenado. Em consequência, o Governo vai continuar a intensificar os preparativos para um tal resultado", declarou num comunicado o executivo de Leo Vardakar.

O parlamento britânico rejeitou hoje o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia negociado pelo Governo de Theresa May com Bruxelas, por 432 votos contra e apenas 202 a favor.

O comunicado adianta que o conselho de ministros se reuniu hoje em Dublin para "tratar pormenorizadamente" dos "preparativos" para enfrentar um 'Brexit' sem acordo.

"O Governo irlandês reconhece, no entanto, que um 'Brexit' desordenado é um mau resultado para todos, incluindo a Irlanda do Norte. Não é demasiado tarde para o evitar e pedimos ao Reino Unido que proponha como resolver este impasse urgentemente", refere ainda.

Após ser conhecida a derrota do Governo conservador de Theresa May, o líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, apresentou uma moção de censura contra o executivo que será debatida e votada na quarta-feira e que, a ser aprovada, poderá desencadear a convocação de eleições legislativas antecipadas.

Estava previsto que o Reino Unido deixasse a UE no final de março de 2019, dois anos após o lançamento oficial do processo de saída e quase três anos após o referendo, que viu 52% dos britânicos votarem a favor do 'Brexit'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.