Brexit: Irlanda lamenta aumento da "incerteza" e de risco de saída desordenada

O Governo irlandês afirmou hoje que a rejeição pelo parlamento britânico do acordo do 'Brexit' aumenta a "incerteza" sobre o processo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE), abrindo a porta a um divórcio sem acordo.

"Lamentavelmente, o resultado da votação de hoje aumenta o risco de um 'Brexit' desordenado. Em consequência, o Governo vai continuar a intensificar os preparativos para um tal resultado", declarou num comunicado o executivo de Leo Vardakar.

O parlamento britânico rejeitou hoje o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia negociado pelo Governo de Theresa May com Bruxelas, por 432 votos contra e apenas 202 a favor.

O comunicado adianta que o conselho de ministros se reuniu hoje em Dublin para "tratar pormenorizadamente" dos "preparativos" para enfrentar um 'Brexit' sem acordo.

"O Governo irlandês reconhece, no entanto, que um 'Brexit' desordenado é um mau resultado para todos, incluindo a Irlanda do Norte. Não é demasiado tarde para o evitar e pedimos ao Reino Unido que proponha como resolver este impasse urgentemente", refere ainda.

Após ser conhecida a derrota do Governo conservador de Theresa May, o líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, apresentou uma moção de censura contra o executivo que será debatida e votada na quarta-feira e que, a ser aprovada, poderá desencadear a convocação de eleições legislativas antecipadas.

Estava previsto que o Reino Unido deixasse a UE no final de março de 2019, dois anos após o lançamento oficial do processo de saída e quase três anos após o referendo, que viu 52% dos britânicos votarem a favor do 'Brexit'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.