Brexit: Costa salienta total alinhamento de Portugal com o Conselho e Comissão Europeia

O primeiro-ministro manifestou total alinhamento político com as instituições europeias relativamente ao 'Brexit', elogiando a forma "profissional, responsável e clara" como as negociações têm sido conduzidas no processo de saída do Reino Unido da União Europeia.

Esta posição foi assumida por António Costa em conferência de imprensa conjunta com o negociador-chefe da União Europeia para o 'Brexit', Michel Barnier, após um almoço de trabalho entre ambos em São Bento.

Na sua declaração inicial, o primeiro-ministro quis logo vincar a posição de total alinhamento político de Portugal em relação às instituições europeias no que respeita às negociações em torno do processo de saída do Reino Unido.

"Portugal reafirma a total confiança na forma como Michel Barnier tem conduzido todo este processo negocial. A atitude do Conselho e da Comissão tem sido exemplar e aquilo que desejamos é que o Reino Unido esteja em condições de corresponder à forma profissional, responsável e clara como as negociações pelo lado europeu têm sido conduzidas por Michel Barnier", declarou António Costa.

Perante os jornalistas, o primeiro-ministro retomou o repto ao executivo de Londres que fez na terça-feira à noite, logo após o parlamento britânico ter rejeitado o acordo do Brexit entre a União Europeia o e Governo de Theresa May.

"É urgente que as autoridades britânicas tomem a iniciativa de dar os passos necessários para que possamos obter até às 23:00 do próximo dia 29 de março aquilo que neste momento estamos mais afastados, que é um bom acordo. Essa é a melhor forma de proteger aquilo que é essencial: Os cidadãos, as nossas empresas, a nossa economia e, muito importante, a preparação da relação futura entre a União Europeia e o Reino Unido", salientou.

O líder do executivo português referiu também que esta manhã o Conselho de Ministros aprovou um plano de contingência, tendo em vista "garantir a maior segurança aos cidadãos britânicos residentes em Portugal e aos cidadãos portugueses residentes no Reino Unido", assim como "às empresas e à economia nacional" face à eventualidade de não haver um acordo".

"Insisto que a pior solução para o 'Brexit' é não haver acordo", completou o líder do executivo português, antes de reiterar a sua oposição a qualquer objetivo de "reabertura das negociações".

"O tratado foi negociado longamente durante ano e meio. É um tratado particularmente complexo, foi duramente negociado e houve um acordo aceite pelo Governo do Reino Unido", frisou o primeiro-ministro.

Neste ponto, António Costa aludiu mesmo ao ponto inicial do processo, quando o executivo de Londres, então liderado por David Cameron, pediu a colaboração da União Europeia para evitar um resultado negativo no referendo, que acabou por se concretizar.

"A União Europeia tem procurado ajudar os governos britânicos: Fizemos primeiro um acordo com o senhor Cameron para que ele tivesse as melhores condições para obter uma vitória no referendo; depois do 'Brexit', abrimos as negociações, pondo 27 Estados-membros com uma posição comum nas negociações e chegámos a um acordo que o Reino Unido aceitou através do seu Governo", apontou.

Segundo o primeiro-ministro, neste quadro, "a última coisa que passava pela cabeça é que, depois de ter sido negociado tudo isto, depois de ano e meio de duras negociações, o Governo britânico não tivesse maioria suficiente para aprovar esse acordo no parlamento".

Após a conferência de imprensa, o primeiro-ministro e o negociador-chefe da União Europeia para o Brexit foram para o Palácio de Belém, onde esta tarde participam na reunião do Conselho de Estado, que tem como tema principal o processo de saída do Reino Unido e as suas consequências.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.