Brexit: Candidatura "por precaução" de portuguesa à residência britânica demorou 15 minutos

A candidatura ao estatuto de residente no Reino Unido demorou cerca de 15 minutos à portuguesa Marta Rosa, que quis "precaver-se" tendo em conta a incerteza que envolve o 'Brexit'.

"Inscrevi-me para me precaver, mas com as incertezas que andam em relação ao 'Brexit', se as coisas correrem mal, não sei de quanto nos vale ter este estatuto ou não", disse Marta Rosa à agência Lusa.

A oportunidade surgiu no final do ano passado, durante uma campanha num hospital perto de Reading, onde é assistente na área de psicologia, intitulada "#loveoureustaff", para mostrar o carinho e consideração pelos funcionários europeus.

A unidade fez parte da segunda fase piloto, que decorreu entre 01 de novembro e 21 de dezembro de 2018, do Sistema de Residência da UE [EU Settlement Scheme], concebido pelo Ministério do Interior britânico para registar os cidadãos europeus residentes no Reino Unido após a saída da União Europeia.

Os testes pretenderam comprovar a funcionalidade de todo o processo, que é inteiramente digital e usa uma aplicação móvel para verificar o passaporte, o que permite que o processo seja todo feito remotamente, seja no local de trabalho ou em casa.

Após responder a um questionário, Marta Rosa, de 25 anos, participou numa sessão de esclarecimento sobre o 'Brexit', tendo-lhe sido oferecida a hipótese não só de ter ajuda para fazer a candidatura, mas também de ter a taxa de 65 libras (74 euros) paga pelo hospital.

"Quando cheguei estavam lá três funcionários a ajudarem as pessoas e eu tinha uma alocada a mim. Deve ter demorado uns 15 minutos a fazer. Ela usou um telemóvel Android e um computador, fazendo primeiro as coisas com o telemóvel e depois passou para o computador", relatou.

Através de uma aplicação desenvolvida especialmente para este efeito, os telemóveis leem primeiro o código do passaporte que dá acesso ao 'chip' com os dados biométricos e, depois, o sistema de leitura NFC (Near Field Communication] lê o 'chip'.

O telemóvel vai também, através da câmara fotográfica, analisar as feições do candidato, para confirmar que é um ser humano e não uma imagem, e tirar uma fotografia estilo 'selfie' para ser usada no processo.

A este passo segue-se um link para uma página eletrónica que pode ser completada noutro aparelho ou computador, onde serão inseridas informações pessoais, como o nome, a morada ou o número de segurança social, que vai cruzar com a base de dados fiscal britânica para confirmar o número de anos de residência no país.

Para as pessoas sem um registo de contribuições no país, podem ser enviados posteriormente outros documentos, como recibos da renda da casa, fatura de serviços como a eletricidade ou gás ou extratos bancários.

"Foi um processo fácil, facilitado também por estar alguém que estava a par do processo todo comigo e ir-me dizendo o que tinha de fazer e o que ia acontecer", contou Marta Rosa, natural de Leiria.

A resposta surgiu em poucas horas, tendo sido confirmado o estatuto de residência temporária a Marta Rosa, já que vive apenas à cerca de dois anos no país.

O estatuto de residente permanente ('settled status') será atribuído àqueles com cinco anos consecutivos a viver no Reino Unido, enquanto que os que estão há menos de cinco anos no país terão um título provisório ('pre-settled status') até completarem o tempo necessário.

Dos 29.987 pedidos feitos durante esta fase de testes, 27.211, ou seja, 90% do total, tiveram resposta até 14 de janeiro, dos quais 70% tiveram o 'settled status' e 30% o 'pre-settled status'.

Para Marta Rosa, a incerteza em torno do 'Brexit', causada pelo impasse em que se encontra o processo depois de o acordo negociado pelo governo britânico com Bruxelas ter sido rejeitado pelo parlamento na semana passada, é preocupante.

"Eu estou numa relação com uma pessoa inglesa, por isso fica sempre o receio de eu não poder cá estar ou ele não poder estar noutro país da Europa, se as coisas correrem mal", revelou à Lusa.

Se a saída acontecer sem acordo, o governo britânico garantiu proteger na mesma o direito dos europeus à residência, trabalho e acesso a serviços públicos, como a saúde e a educação, mas só àqueles que se tenham estabelecido até 29 de março, data prevista para a saída.

Para os britânicos, a liberdade de circulação também deverá cessar após o 'Brexit', embora o acordo concedesse um período de transição durante o qual os direitos seriam prolongados até ao final de 2020.

O sistema de candidatura ao estatuto de residente no Reino Unido abre hoje uma terceira fase de testes a qualquer nacional dos países da União Europeia com um passaporte válido e aos respetivos familiares que não sejam cidadãos da UE, mas que tenham um cartão de residência biométrico válido.

Porém, só deverá estar totalmente funcional em março de 2019 para os cerca de 3,5 milhões de europeus que vivem no país, tendo como data limite 30 de junho de 2021, se o acordo negociado com Bruxelas for ratificado, ou seis meses antes, em 31 de dezembro de 2020, se a saída acontecer sem acordo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.