Brasil/Eleições: Bispo pede a católicos que elejam candidato favorável à democracia

O secretário-geral da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Leonardo Steiner, pediu aos católicos que, ao escolherem o seu candidato na segunda volta das eleições prestem atenção nos que são a favor da democracia.

"Temos duas candidaturas à Presidência, mas somos a favor é da democracia. O que pedimos é que o eleitor católico observe se os candidatos pregam mais ou menos democracia; se buscam a convivência fraterna com base da educação, no respeito e justiça social, ou não", disse Leonardo Steiner em entrevista ao portal de notícias brasileiro UOL.

O mesmo represente da Igreja Católica acrescentou que os brasileiros não devem "votar com o coração cheio de ódio".

"Nem pensando que vamos mudar o Brasil de uma hora para outra: não existem salvadores da pátria, mas uma democracia que precisa ser permanentemente construída", vincou.

Antes da primeira volta das presidenciais do país realizadas no passado domingo, a CNBB havia lançado um manifesto público em que alertava os fiéis sobre candidatos que usam a religião para se promoverem, mas disseminam a violência, ódio, racismo, homofobia e preconceito, fazendo críticas veladas ao candidato que liderava as sondagens Jair Bolsonaro.

"São escandalosas as posturas alienadas de muitos cristãos e as adesões a um candidato à presidência [Jair Bolsonaro] que dissemina violência, ódio, racismo, homofobia e preconceito contra mulheres e pobres", lê-se na nota da entidade.

"Ele utiliza falsamente as temáticas do aborto, género, família e ética; faz apologia à tortura, à pena de morte e ao armamentismo; e é réu por injúria e incitação ao crime de violação", acrescentou.

A CNBB também lançou uma cartilha sobre as eleições, na qual manifestava preocupação com as polarizações que culminam em ódio.

Nessa cartilha, a entidade chamava a atenção para a importância da convivência democrática, do respeito ao próximo, do pluralismo sadio e do debate político sereno.

Em contraposição da Igreja Católica, representantes de igrejas evangélicas brasileiras têm manifestado a sua posição sobre o processo eleitoral, declarando apoio a Bolsonaro.

O pastor Edir Macedo, líder máximo da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), anunciou nas redes sociais o seu apoio a este candidato.

A Rede de Televisão Record, propriedade de Edir Macedo, veiculou na quinta-feira passada, no mesmo horário do último debate com presidenciáveis realizado na TV Globo, uma entrevista exclusiva com Bolsonaro.

O candidato não compareceu ao debate com os outros candidatos alegando obediência a orientações médicas já que ainda se recupera de uma facada que sofreu num atentado no início de setembro.

Bolsonaro também recebeu apoio dos principais líderes da Bancada Evangélica do Congresso brasileiro, uma composição que atualmente possui mais de 100 parlamentares.

Os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) irão defrontar-se na segunda volta das eleições presidenciais brasileiras no dia 28 deste mês, após cada um ter obtido 46% e 29% dos votos, respetivamente.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".