Brasil regista queda de 25% de homicídios nos primeiros dois meses do ano

Brasília, 19 abr 2019 (Lusa) - O número de assassínios no Brasil caiu 25% nos primeiros dois meses do ano, em comparação com o mesmo período de 2018, de acordo com o índice nacional de homicídios criado pelo portal de notícias G1.

A ferramenta, que analisou dados de 26 dos 27 estados brasileiros, e do Distrito Federal, registou 6.856 mortes violentas em janeiro e fevereiro de 2019.

À exceção do estado Paraná, registaram-se 9.094 homicídios no mesmo período de 2018.

O levantamento em causa, que é o resultado de uma parceria entre o G1, o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, indica ainda que apenas dois estados registaram um aumento no número de mortes violentas: o Amazonas e Rondônia.

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, referiu-se aos números registados por essa ferramenta numa transmissão em direto que realizou na quinta-feira, na sua página do facebook.

O chefe de Estado afirmou que o número irá diminuir ao longo do mandato.

"Podem ter a certeza que a violência que caiu 25% [nos primeiros dois meses] vai cair muito mais, porque o vagabundo vai ficar mais preocupado", declarou Bolsonaro.

"Ele sabe que, até agora, se cometesse um crime dificilmente teria alguém armado perto dele, e se tivesse, iria reagir porque sabia que a batata quente fica no colo na pessoa de bem", acrescentou, defendendo o projeto anticrime apresentando pelo ministro da Justiça, Sergio Moro.

O Ceará foi o estado brasileiro que registou a maior queda de assassínios no país, atingindo os 58%, em comparação com o período homólogo de 2017. Para Jair Bolsonaro, essa diminuição está intimamente relacionada com a intervenção policial que o seu executivo determinou para aquela região.

"Só no Ceará, a violência diminuiu 58%, talvez pela participação das forças de seguranças nesse recente episódio", declarou o chefe de Estado, referindo-se à intensa onda de violência que começou no Ceará no início do ano, e que obrigou o seu Governo a enviar cerca de 500 oficiais da Força de Segurança Nacional para a região.

O governante brasileiro afirmou ainda que tenciona reforçar os recursos humanos da Polícia Federal, através da abertura de um concurso público para a entrada de mil efetivos.

"Conversando com os ministros Sergio Moro e Paulo Guedes, (...) conseguimos mil vagas para serem efetivados na Polícia Federal. Por isso, a nossa polícia terá nos seus quadros, no prazo de um ano e meio, no máximo, mais mil profissionais para a ajudar no combate à corrupção, fraudes e desvios. É um esforço do Governo, ao qual demos sinal verde", disse Bolsonaro na sua página de facebook.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.