"Brasil não pode perder África de vista" - presidente do IBRAF

o presidente do Instituto Brasil África (IBRAF) disse hoje, à margem da 32.ª cimeira ordinária da União Africana, na Etiópia, que o "Brasil não pode perder de vista as oportunidades que surgem no continente africano".

"A África será a líder do caminho para o desenvolvimento nos próximos anos e o Brasil não pode perder de vista as oportunidades que surgem no continente", afirmou João Bosco Monte, citado num comunicado do IBRAF.

A cumprir uma agenda de dois dias em Adis Abeba, capital etíope, o presidente do IBRAF frisou ainda que o novo Governo brasileiro precisa de se reafirmar ao nível da sua política externa, nomeadamente através das ligações económicas com África.

"O Brasil deixou de ser um importante agente em campo nos últimos anos. Nós não temos nenhuma agenda internacional, particularmente com África, que traga o país novamente para o protagonismo. Ao mesmo tempo que todas as grandes economias do mundo estão a olhar para África, o Governo brasileiro precisa de reabrir o espaço perdido para as relações com o continente", declarou o presidente do IBRAF.

Segundo o comunicado divulgado pelo IBRAF, João Bosco Monte vai reunir-se na Etiópia com altos funcionários da instituição financeira Afreximbank, da Fundação Rockefeller, da Agência NEPAD - Nova Parceria para o Desenvolvimento da África e com a Comissária da Economia Rural e Agricultura da União Africana, "para mostrar o compromisso do IBRAF, através do Fórum Brasil África 2019, em fortalecer os laços com o continente africano", referiu.

A 32.ª cimeira ordinária da União Africana arrancou no domingo na capital etíope, Adis Abeba, com a transferência da presidência da organização para o chefe de Estado egípcio, Abdel Fattah Al-Sisi, e a eleição dos refugiados como tema do ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.