Brasil assina acordo internacional para aumentar superfície protegida na Amazónia

O Ministério do Meio Ambiente do Brasil celebrou na terça-feira um acordo internacional em que se compromete a transformar mais de três milhões de hectares da Amazónia em unidades de conservação num prazo de cinco anos.

O acordo, que inclui o Banco Mundial e a organização Conservação Internacional, entre outras instituições, contempla um investimento de mais de 60 milhões de dólares, procedentes do Fundo Mundial para o Ambiente (GEF, na sigla em inglês), indicou o ministério brasileiro em comunicado.

Denominado de "Paisagens Sustentáveis da Amazónia", o projeto prevê também a introdução de melhorias na gestão das unidades de conservação existentes e um aumento das áreas de restauração e administração sustentável da Amazónia brasileira.

A parceria vai também apoiar o Programa de Áreas Protegidas da Amazónia (Arpa), criado em 2002, que envolve o Governo brasileiro, órgãos estatais e instituições privadas e da sociedade civil, que ao longo de 15 anos transformou mais de 60 milhões de hectares em unidades de conservação na região, indicou o Ministério do Meio Ambiente citado pela Agência Brasil.

A iniciativa consagra ainda cooperação com outros países para que sejam criadas mais reservas protegidas na maior floresta tropical do mundo. "É o primeiro projeto na região amazónica que tem ligações muito próximas com a Colômbia, o Peru, países que querem beneficiar das experiências do Brasil e aprender para repetir", sublinhou o diretor do Banco Mundial para o Brasil, Martin Raiser, citado no mesmo comunicado.

"Temos que agir, de todas as maneiras possíveis, para dar à vertente da sustentabilidade um fortalecimento adequado", afirmou, por seu turno, o ministro do Meio Ambiente do Brasil, José Sarney Filho.

"É preciso que a gente valorize o bem ambiental. Esses recursos vão ao encontro dessa ideia", frisou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...