Brasil assina acordo internacional para aumentar superfície protegida na Amazónia

O Ministério do Meio Ambiente do Brasil celebrou na terça-feira um acordo internacional em que se compromete a transformar mais de três milhões de hectares da Amazónia em unidades de conservação num prazo de cinco anos.

O acordo, que inclui o Banco Mundial e a organização Conservação Internacional, entre outras instituições, contempla um investimento de mais de 60 milhões de dólares, procedentes do Fundo Mundial para o Ambiente (GEF, na sigla em inglês), indicou o ministério brasileiro em comunicado.

Denominado de "Paisagens Sustentáveis da Amazónia", o projeto prevê também a introdução de melhorias na gestão das unidades de conservação existentes e um aumento das áreas de restauração e administração sustentável da Amazónia brasileira.

A parceria vai também apoiar o Programa de Áreas Protegidas da Amazónia (Arpa), criado em 2002, que envolve o Governo brasileiro, órgãos estatais e instituições privadas e da sociedade civil, que ao longo de 15 anos transformou mais de 60 milhões de hectares em unidades de conservação na região, indicou o Ministério do Meio Ambiente citado pela Agência Brasil.

A iniciativa consagra ainda cooperação com outros países para que sejam criadas mais reservas protegidas na maior floresta tropical do mundo. "É o primeiro projeto na região amazónica que tem ligações muito próximas com a Colômbia, o Peru, países que querem beneficiar das experiências do Brasil e aprender para repetir", sublinhou o diretor do Banco Mundial para o Brasil, Martin Raiser, citado no mesmo comunicado.

"Temos que agir, de todas as maneiras possíveis, para dar à vertente da sustentabilidade um fortalecimento adequado", afirmou, por seu turno, o ministro do Meio Ambiente do Brasil, José Sarney Filho.

"É preciso que a gente valorize o bem ambiental. Esses recursos vão ao encontro dessa ideia", frisou.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.