Bombeiros não encontraram ocupantes em carro que caiu ao rio em Aveiro

O carro que foi visto hoje a afundar-se no rio Vouga em Cacia, no concelho de Aveiro, não tinha ocupantes no seu interior, disse à Lusa fonte dos Bombeiros.

As autoridades retiraram o carro da água cerca das 18:45, tendo chegado à conclusão de que não estava ninguém dentro da viatura, disse à Lusa o comandante dos Bombeiros Novos, Ricardo Fradique.

Uma equipa de mergulhadores dos Bombeiros Novos também esteve no local a fazer buscas para localizar eventuais ocupantes da viatura, sem sucesso.

A situação foi classificada inicialmente como um acidente, mas as autoridades não colocam de parte outras hipóteses, estando a investigar o que se terá passado.

O alerta foi dado cerca das 16:45, para um despiste de um veículo que caiu à água, numa estrada de acesso a campos agrícolas, situada nas traseiras da fábrica Navigator Company.

Para o local foram mobilizados 11 operacionais e cinco viaturas dos Bombeiros Novos e da GNR.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.