Bolsonaro diz que os brasileiros têm agora "um Presidente que é amigo dos EUA"

O chefe de Estado do Brasil, Jair Bolsonaro, afirmou na segunda-feira, num discurso em Washington, que os brasileiros têm agora "um Presidente que é amigos dos Estados Unidos da América", ao contrário do que aconteceu com governos anteriores.

"Nas últimas décadas, era tradição no Brasil, e peço desculpa pela sinceridade, (...) eleger presidentes que andassem de mãos dadas com a corrupção e inimigos dos Estados Unidos. Hoje, o Brasil tem um Presidente que é amigo dos EUA, que admira esse país maravilhoso e quer aprofundar laços de amizade, assim como variadas negociações", declarou Jair Bolsonaro, na Câmara do Comércio norte-americana.

Na iniciativa, o governante brasileiro defendeu ainda uma parceria com os EUA na resolução da crise na Venezuela.

"Temos alguns assuntos em que estamos a trabalhar em conjunto, reconhecendo, obviamente, a capacidade económica, bélica, entre outras, dos Estados Unidos. Temos de resolver a questão da nossa Venezuela", afirmou Bolsonaro, acrescentando: "O povo venezuelano tem de ser libertado e acreditamos e contamos, obviamente, com o apoio norte-americano para que esse objetivo seja alcançado".

O chefe de Estado do país sul-americano traçou ainda comparações entre o povo brasileiro e o norte-americano, afirmando que este último é "conservador, temente a Deus e, portanto, cristão".

Também o 'slogan' de campanha do Presidente norte-americano, Donald Trump, foi reinterpretado por Bolsonaro: "Queremos um Brasil grande, como Trump quer uma América grande".

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, iniciou no domingo uma viagem oficial aos Estados Unidos da América, naquela que é a sua primeira visita bilateral ao estrangeiro enquanto chefe de Estado, considerada pelo próprio como "estratégica".

Na segunda-feira, os governos brasileiro e norte-americano assinaram, em Washington, um acordo que permite aos Estados Unidos da América o lançamento de satélites a partir da base de Alcântara, no Estado brasileiro do Maranhão.

Na prática, o acordo prevê que os Estados Unidos possam lançar satélites e foguetes da base de Alcântara, sendo que o território continuará sob jurisdição brasileira.

O compromisso assinado entre os dois Estados é uma das principais iniciativas da deslocação de Bolsonaro aos EUA.

Bolsonaro e o seu homólogo norte-americano irão encontrar-se hoje, numa reunião privada na Casa Branca.

Os dois líderes terão um almoço de trabalho e uma reunião com os ministros dos dois países, dando depois uma conferência de imprensa.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?