Bolsas europeias em baixa pendentes de novidades do 'Brexit'

As principais bolsas europeias negociavam hoje em baixa, pendentes de desenvolvimentos do 'Brexit'.

Cerca das 09:00 em Lisboa, o EuroStoxx 600 estava a recuar 0,12% para 355,92 pontos.

As bolsas de Londres, Paris e Frankfurt recuavam 0,21%, 0,28% e 0,18%, bem como as de Madrid e Milão, que desciam 0,16% e 0,46%, respetivamente.

Depois de ter aberto em baixa, a bolsa de Lisboa mantinha a tendência e, cerca das 09:00, o principal índice, o PSI20, descia 0,34% para 5.069,86 pontos.

Além de desenvolvimentos do 'Brexit', os investidores aguardam hoje a reunião dos ministros da Economia e Finanças da União Europeia (UE) e a publicação do índice de confiança no investimento na Alemanha.

A primeira-ministra britânica, a conservadora Theresa May, lança hoje novas negociações para encontrar uma solução para o 'Brexit' e posteriormente a comunicar a Bruxelas.

Em Nova Iorque, a bolsa de Wall Street esteve fechada na segunda-feira devido ao feriado do Aniversário de Martin Luther King, após ter terminado em alta na sexta-feira, com o Dow Jones a subir 1,38% para 24.706,35 pontos, depois de ter atingido em 03 de outubro 26.828,39 pontos, atual máximo desde que foi criado em 1896.

No mesmo sentido, o Nasdaq fechou a avançar 1,03% para 7.157,23 pontos, após ter subido até aos 8.109,69 pontos em 29 de agosto, atual máximo de sempre.

A nível cambial, o euro abriu em baixa no mercado de divisas de Frankfurt, a cotar-se a 1,1353 dólares, contra 1,1366 dólares na segunda-feira.

O barril de petróleo Brent para entrega em março abriu hoje em baixa, a cotar-se a 62,09 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, menos 1,13% do que na sessão anterior e depois de ter estado acima dos 85 dólares no início de outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.