Bolsas europeias em alta à espera do BCE

Lisboa, 10 abr 2019 (Lusa) -- As principais bolsas europeias estavam hoje em alta, depois do Fundo Monetário Internacional (FMI) ter revisto em baixa as previsões económicas e à espera da reunião do Banco Central Europeu (BCE).

Cerca das 09:00 em Lisboa, o EuroStoxx 600 subia 0,25% para 386,63 pontos.

As bolsas de Londres, Paris e Frankfurt avançavam 0,05%, 0,40% e 0,38%, bem como as de Madrid e Milão que subiam 0,45% e 0,24%, respetivamente.

Depois de ter aberto em baixa, a bolsa de Lisboa invertia a tendência e cerca das 09:10 o principal índice, o PSI20, avançava 0,28% para 5.290,40 pontos.

Hoje, além da reunião de política monetária do BCE, da qual deve resultar uma manutenção das taxas de juro, os investidores estão pendentes da cimeira extraordinária do Conselho Europeu em Bruxelas para decidir se concede outro adiamento ao Reino Unido, devido à rejeição do Parlamento britânico ao acordo de saída negociado entre a primeira-ministra Theresa May e Bruxelas.

Na cimeira europeia extraordinária do 'Brexit', May deverá justificar perante os restantes 27 líderes comunitários o novo adiamento da saída do Reino Unido da UE.

Nos Estados Unidos, a Reserva Federal (Fed) publicará as atas da reunião de dois dias que terminou em 20 de março, na qual manteve as taxas de juro, e o Governo publicará a inflação registada em março, depois desta se ter mantido em 1,5% em fevereiro.

Entretanto, o Presidente norte-americano, Donald Trump, confirmou que imporá tarifas a uma lista de produtos da UE, das quais se destacam os aviões Airbus e componentes da aviação civil devido às ajudas públicas que a companhia aeronáutica recebe.

Os investidores também se vão manter atentos aos preços do petróleo, que estão em máximos desde novembro do ano passado.

O barril de petróleo Brent para entrega em junho abriu hoje quase inalterado, a cotar-se a 70,66 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, menos 0,01% do que na sessão anterior e depois de ter estado acima dos 85 dólares no início de outubro.

Em Nova Iorque, a bolsa terminou em baixa na terça-feira, com o Dow Jones a cair 0,72% para 26.150,58 pontos, depois de ter atingido em 03 de outubro de 2018 os 26.828,39 pontos, atual máximo desde que foi criado em 1896.

No mesmo sentido, o Nasdaq fechou a cair 0,56% para 7.909,28 pontos, após ter subido até aos 8.109,69 pontos em 29 de agosto de 2018, atual máximo de sempre.

A nível cambial, o euro abriu em baixa no mercado de divisas de Frankfurt, a cotar-se a 1,1263 dólares, contra 1,1273 dólares na terça-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.