Bolsa de Nova Iorque inicia sessão com perdas

A bolsa de Nova Iorque baixava hoje no início da sessão, quando se espera um abrandamento do crescimento económico norte-americano, num contexto de maior incerteza e desaceleração da expansão mundial.

Às 15:00 (hora de Lisboa), o índice Dow Jones descia 0,36% para 25.862,15 pontos e o Nasdaq recuava 0,64% para 7.441,06 pontos.

O índice alargado S&P 500 baixava 0,49% e estava em 2.771,13 pontos.

As atas da reunião de política monetária de 29 e 30 de janeiro da Reserva Federal (Fed) revelam que o banco central espera um abrandamento do crescimento da economia norte-americana, num contexto de uma expansão mundial mais fraca.

Os participantes na reunião decidiram interromper o movimento de subida gradual das taxas de juro e adotar uma atitude de "paciência" que deve permitir ter uma ideia mais clara da evolução económica.

Hoje prosseguem as negociações comerciais, em Washington, entre Estados Unidos e China, agora com a participação de representantes ministeriais.

A bolsa nova-iorquina encerrou em ligeira alta na quarta-feira depois de uma sessão com hesitações dos investidores. O Dow Jones subiu 0,24% e o Nasdaq avançou 0,03%.

Exclusivos

Premium

Entrevista a Victor Ângelo

"Há uma competição muito grande entre os EUA e a China e vai agravar-se"

Victor Ângelo foi o mais alto funcionário português nas Nações Unidas, chegando ao nível de secretário-geral adjunto. Representou a organização em vários países de África e preocupa-o o futuro de um continente em que os jovens querem emigrar. Analisa o risco da crescente competição entre as grandes potências.

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?