Bennett vence terceira etapa e consolida liderança da Volta à Turquia

O irlandês Sam Bennett (Bora-hansgrohe) consolidou hoje a liderança da Volta à Turquia em bicicleta, ao vencer a terceira etapa, que ligou Fethiye e Marmaris (137,2 quilómetros).

Depois de ter conseguido passar a única dificuldade do dia, uma subida a cerca de 10 quilómetros da meta, Bennett superiorizou-se no 'sprint' final e cortou a meta em 3:16.27 horas, à frente do argentino Maximiliano Richeze (QuickStep-Floors) e do alemão John Degenkolb (Trek-Segafredo).

Com o mesmo tempo do vencedor cortaram a meta os portugueses Amaro Antunes (CCC Sprandi Polkowice), Ruben Guerreiro (Trek-Segafredo), Rafael Reis (Caja Rural), Ricardo Vilela (Manzana-Postobon), José Mendes (Burgos-BH) e Joaquim Silva (Caja Rural).

Na geral, Bennett tem agora 10 segundos de avanço sobre Richeze e 22 sobre Degenkolb e o holandês Jempy Drucker (BMC).

A 26 segundos da liderança estão Amaro Antunes, Ruben Guerreiro, Rafael Reis, Ricardo Vilela e José Mendes, enquanto Joaquim Silva dista 52.

Na sexta-feira corre-se a quarta etapa, considerada a tirada rainha da prova, entre Marmaris e Selçuk (206,9 quilómetros), com três contagens de montanha, a última das quais coincidente com a meta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?