Benfiquista Pedro Pichardo autorizado a representar Portugal

Pedro Pablo Pichardo, que adquiriu a nacionalidade portuguesa no ano passado e é o recordista luso do triplo salto, poderá representar Portugal nos Campeonatos do Mundo de 2019, no Qatar.

O desfecho do processo de mudança de nacionalidade do atleta do Benfica, à luz dos novos regulamentos, foi hoje comunicado pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) à Federação Portuguesa de Atletismo.

Assim, o atleta Pedro Pablo Pichardo, que adquiriu a nacionalidade portuguesa a 20 de novembro 2017, é elegível para representar Portugal a partir do dia 01 de agosto de 2019.

Desta forma Pichardo ainda não poderá competir nos Europeus de pista coberta de 2019, que se realizam em Glasgow, na Escócia, mas poderá, caso seja selecionado, fazê-lo no Campeonato da Europa de seleções, que se realizará entre 09 e 11 de agosto (ainda sem atribuição de local por parte da Associação Europeia de Atletismo) e também no Mundial de 2019, que tem lugar de 28 de setembro a 06 de outubro, em Doha no Qatar.

Pedro Pichardo, que recentemente venceu a Liga Diamante, de acordo com o regulamento publicado no início da época, por via desse triunfo, tem já a qualificação assegurada para o Mundial.

Recorde-se que o benfiquista, nascido em Cuba a 30 de junho de 1993 (25 anos), é o atual líder do ranking mundial do triplo salto, com 17,95 metros, obtido em Doha, no Qatar, marca que figura também como recorde de Portugal da disciplina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.