Benfiquista Pedro Pichardo autorizado a representar Portugal

Pedro Pablo Pichardo, que adquiriu a nacionalidade portuguesa no ano passado e é o recordista luso do triplo salto, poderá representar Portugal nos Campeonatos do Mundo de 2019, no Qatar.

O desfecho do processo de mudança de nacionalidade do atleta do Benfica, à luz dos novos regulamentos, foi hoje comunicado pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) à Federação Portuguesa de Atletismo.

Assim, o atleta Pedro Pablo Pichardo, que adquiriu a nacionalidade portuguesa a 20 de novembro 2017, é elegível para representar Portugal a partir do dia 01 de agosto de 2019.

Desta forma Pichardo ainda não poderá competir nos Europeus de pista coberta de 2019, que se realizam em Glasgow, na Escócia, mas poderá, caso seja selecionado, fazê-lo no Campeonato da Europa de seleções, que se realizará entre 09 e 11 de agosto (ainda sem atribuição de local por parte da Associação Europeia de Atletismo) e também no Mundial de 2019, que tem lugar de 28 de setembro a 06 de outubro, em Doha no Qatar.

Pedro Pichardo, que recentemente venceu a Liga Diamante, de acordo com o regulamento publicado no início da época, por via desse triunfo, tem já a qualificação assegurada para o Mundial.

Recorde-se que o benfiquista, nascido em Cuba a 30 de junho de 1993 (25 anos), é o atual líder do ranking mundial do triplo salto, com 17,95 metros, obtido em Doha, no Qatar, marca que figura também como recorde de Portugal da disciplina.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.