Bebé de 6 meses atingido por bala perdida no Brasil, 15.º desde o início do ano

Um bebé de 6 meses foi baleado num ombro na segunda-feira à noite no Rio de Janeiro, Brasil, vítima de uma bala perdida, tornando-se o 15.º desde o início do ano, denunciou hoje a ONG Fogo Cruzado.

O bebé, que foi baleado quando estava ao colo da mãe junto a uma escola no bairro Cosme Velho, no sul do Rio de Janeiro, será operado hoje para remover a bala do ombro, mas segundo os médicos encontra-se livre de perigo.

O bebé estava ao colo da mãe, que aguardava pela saída da escola do outro filho de 6 anos, indicou a escola privada São Vicente de Paulo, em comunicado.

De acordo com a Organização não-governamental Fogo Cruzado, das 15 crianças atingidas por balas perdidas desde o início do ano, quatro morreram.

Entre as vítimas está uma menina de 3 anos, atingida em fevereiro quando estava dentro do carro dos pais, e um bebé de 1 ano e 7 meses, atingido na cabeça durante uma troca de tiros numa favela, em março.

A ONG referiu num relatório divulgado em abril que perto de metade (46%) das escolas públicas do Rio de Janeiro tiveram tiroteios num raio de 300 metros, entre fevereiro de 2017 e o mesmo mês deste ano.

Quase dois anos após os Jogos Olímpicos, a segurança no Rio de Janeiro tem vindo a deteriorar-se, situação agravada pela crise financeira que afeta o país e sobretudo este estado, com os polícias receberem frequentemente os salários com meses de atraso.

O Presidente brasileiro, Michel Temer, atribuiu, através de um decreto, em fevereiro, a responsabilidade pela segurança no Rio de Janeiro ao exército.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.