BE quer discutir mobilidade e segurança rodoviária nas freguesias de Aveiro

Aveiro, 19 abr 2019 (Lusa) - O Bloco de Esquerda (BE) apresentou uma recomendação às juntas de freguesia de Aveiro para fazerem um levantamento e eventual revisão da sinalética vertical e horizontal, visando maior segurança para peões e ciclistas, informou hoje o partido.

Em comunicado, a Concelhia de Aveiro do BE diz que a proposta de recomendação foi apresentada nas assembleias de freguesia onde o partido tem representação (Glória e Vera-Cruz, Eixo e Eirol, Esgueira e Santa Joana).

A proposta recomenda ainda que sejam revistas as barreiras urbanísticas que dificultam a circulação na via de pessoas portadoras de deficiência, bem como a adequação de passadeiras sobrelevadas dedicadas ao atravessamento de peões e a revisão da diminuição dos limites de velocidade em zonas residenciais.

Os bloquistas consideram a recomendação "especialmente premente", dado o estado de degradação de muitas vias que atravessam as localidades, realçando que muitas delas têm "bastante tráfego automóvel" e que em algumas "não existe qualquer travessia para peões".

O Bloco defende que as Juntas de Freguesia devem envolver neste processo de revisão os cidadãos residentes nas localidades, bem como as associações e grupos dedicados à temática da mobilidade urbana que operam no concelho.

"O Bloco considera que é um dever do poder político local, pela sua natureza de proximidade, melhorar os sistemas de segurança e mobilidade, nomeadamente no que diz respeito ao estado da via pública e à utilização das passadeiras onde, muitas vezes, ocorrem acidentes", refere a mesma nota.

Além desta proposta, o Bloco vai apresentar uma recomendação para que os executivos de freguesia não aceitem a transferência das competências previstas na Lei no 50/2018, no ano de 2019.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?